Aras: “Acusação de ajuda da Abin a Flávio Bolsonaro é grave”

Compartilhe agora

O procurador-geral da República, Augusto Aras, classificou nesta terça-feira (15) como “grave” a acusação de que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) elaborou relatórios para orientar a defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no caso das “rachadinhas” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), mas ressaltou que faltam provas para confirmar o episódio.

“O fato em si narrado é grave, o que não temos são provas desses fatos, nós não trabalhamos com narrativas. Trabalhamos com fatos e provas”, disse Aras a jornalistas.

“Por enquanto temos fatos transmitidos pela imprensa, que levamos a sério. Mas precisamos ter elementos, não podemos trabalhar apenas com a informação. Por enquanto temos as narrativas, mas não temos as provas”, completou.

Aras também disse que esperava que os parlamentares que acionaram a PGR fornecessem esses elementos, mas observou as provas não vieram nessas representações.

“O MP vai ter de fazer a investigação. Vamos fazer perguntas aos órgãos competentes, ficamos à mercê dessas respostas”, afirmou.

“Sem os elementos ao menos indicados pela imprensa estaremos com dificuldade para fazer essas investigações, mas a imprensa contribuiria muito se fornecesse os elementos materiais”, acrescentou.

LEIA TAMBÉM
Cármen Lúcia dá 24 horas para governo explicar relatórios da Abin orientando defesa de Flávio Bolsonaro

Sob Bolsonaro, IDH do Brasil despencou cinco posições no ranking mundial da ONU

Arrependido, cantor Fagner diz que Bolsonaro tem uma atuação ridícula

Nesta terça-feira, Aras cobrou informações do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e da Abin sobre o caso.

Segundo reportagem da revista Época, da semana passada, a Abin produziu ao menos dois relatórios de orientação para Flávio Bolsonaro e seus advogados sobre o que deveria ser feito para obter os documentos que permitissem embasar um pedido de anulação do Caso Queiroz, que investiga as “rachadinhas” na Alerj. Além de embasar a defesa de Flávio, os relatórios ainda sugerem a substituição dos “postos” servidores da Receita Federal.

Com informações do Estadão