‘Senhor da Guerra ronda o Brasil’, denuncia o PT, sobre visita de Mike Pompeo a Roraima

A presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann, e o secretário Romênio Pereira manifestam profunda preocupação com a visita do chefe de Departamento do Estado dos EUA, Mike Pompeo, à Boa Vista, fronteira com a Venezuela.

“O governo brasileiro, capitaneado por Jair Bolsonaro, demonstra mais uma vez sua submissão aos ditames do governo de Donald Trump”, denunciam os petistas em documento divulgado nesta quarta-feira (16).

A visita de Mike Pompeo, na fronteira com a Venezuela, está prevista para a próxima sexta-feira (18).

“É obviamente uma provocação”, adverte o chanceler Celso Amorim. “Essa é a única explicação para uma visita do Secretário de Estado norte-americano a Boa Vista, a capital que é porta de entrada para o país vizinho”, diz.

Leia a íntegra da nota do PT:

PT repudia visita de Mike Pompeo a Roraima

O Partido dos Trabalhadores (PT) manifesta uma profunda preocupação com a visita do Secretário de Estado dos Estados Unidos da América (EUA), Mike Pompeo, à cidade de Boa Vista, capital de Roraima.

Esta visita, prevista para a próxima sexta-feira, 18 de setembro, tem como objetivo seu encontro com imigrantes venezuelanos no Brasil para expressar seu apoio a esta população que, segundo o governo dos EUA, foge de um suposto regime ilegítimo de Nicolás Maduro.

As alegações contra Maduro são, porém, totalmente infundadas. Não é possível acusar de ilegítimo um governo eleito num processo democrático e legal. Ilegítima é a constante ingerência estadunidense nos assuntos soberanos de outros país.

Causa ainda mais estranheza que esta viagem de Pompeo incluirá também outros países vizinhos da Venezuela, como a Colômbia e a Guiana, além do Suriname, país igualmente próximo.

O governo brasileiro, capitaneado por Jair Bolsonaro, demonstra mais uma vez sua submissão aos ditames do governo de Donald Trump, colocando-se sempre aberto a seguir suas ordens ou receber seus representantes em nosso território, num processo contínuo de afronta a nossa soberania.

O PT não se calará ante mais este ataque a nosso país e seguirá o caminho de sempre em sua defesa, sua total independência nas relações internacionais e a implementação de uma política soberana para toda a América do Sul.

Este é um caminho já trilhado quando ocupamos o governo federal, que se mostrou altamente exitoso não somente para o Brasil, como para seus vizinhos e outras nações em todo o mundo.

Gleisi Hoffmann, Presidenta Nacional do PT

Romênio Pereira, Secretário de Relações Internacionais do PT

LEIA TAMBÉM

Trump volta a estudar invasão da Venezuela com apoio do Brasil

O presidente Donald Trump, dos Estados Unidos, voltou a cogitar uma invasão militar à Venezuela com o apoio do Brasil.

A agressão ao país caribenho entrou no radar do mandatário americano nas vésperas da complicada campanha pela reeleição à Casa Branca, cuja votação se dará em 3 de novembro próximo.

A ideia de intervenção militar ganhou novo capítulo nesta quarta-feira (16) com o relatório de uma missão da ONU associando o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e os ministros mais importantes de seu governo estão vinculados a possíveis “crimes contra a humanidade”.

A presidente da comissão da ONU, Marta Valiñas, assegura em um comunicado que foram encontrados “motivos razoáveis para acreditar que as autoridades e as forças de segurança venezuelanas planejaram e executaram desde 2014 graves violações dos direitos humanos”.

“Longe de serem atos isolados, estes crimes foram coordenados e cometidos de acordo com as políticas do Estado, com o conhecimento ou o apoio direto dos comandantes e de altos funcionários do governo”, afirmou Valiñas, falando em nome da ONU.

O açulamento do presidente Donald Trump, que precisa de uma plataforma para vencer a eleição daqui a 50 dias, encontra terreno fértil no Brasil governado pelo submisso Jair Bolsonaro.

O governo brasileiro tem oscilando entre a extrema direita, o nacionalismo, e o populismo e a subserviência aos interesses dos Estados Unidos. A principal característica principal, no entanto, é a fraqueza e falta de rumo soberano.