Justiça manda Twitter derrubar conta do ‘Véio da Havan’ e de mais 15 bolsonaristas

Deu ruim para o empresário Luciano Hang, o Véio da Havan, dono da rede de Lojas Havan, e mais 15 bolsonaristas tiveram a conta do Twitter tiradas do ar por decisão da Justiça.

O Twitter defenestrou nesta sexta-feira (24) 16 contas de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito do inquérito das fake news.

Ao todo, foram “retidas” – de acordo com a mensagem que aparece na própria rede social – 16 perfis de investigados no inquérito das Fake News no STF.

Dentre os perfis tirados do ar pelo Twitter estão:

  • Roberto Jefferson, presidente do PTB
  • Luciano Hang, empresário
  • Edgard Corona, empresário
  • Otávio Fakhoury
  • Bernardo Küster
  • Allan dos Santos, blogueiro
  • Edson Salomão, assessor do deputado estadual de São Paulo Douglas Garcia
  • Comandante Winston
  • Rey Bianchi
  • Sara Giromini
  • Enzo Leonardo Momenti

Entre as contas suspensas, estão a da ativista Sara Giromini, conhecida como Sara Winter, do ex-deputado Roberto Jefferson, e dos blogueiros Allan dos Santos e Bernardo Küster.

Em nota, a rede social afirmou que a suspensão das contas atende decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). “O Twitter agiu estritamente em cumprimento a uma ordem legal proveniente de inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF)”, informou a empresa.

Em maio, o ministro Alexandre de Moraes determinou o bloqueio das contas nas redes sociais “para a interrupção dos discursos com conteúdo de ódio, subversão da ordem e incentivo à quebra da normalidade institucional e democrática”.

Em comum, todos os que tiveram a “conta retida” pelo Twitter, por determinação do Supremo, tem ligação com o gabinete do ódio no governo Jair Bolsonaro.

LEIA TAMBÉM

  • Paraná Pesquisas bomba no Twitter com sondagem pró-reeleição de Bolsonaro em 2022; leia a íntegra da pesquisa
  • Em editorial, Estadão diz que torce pela ‘ema’ que bicou Bolsonaro
  • 1,7 milhão brasileiros já perderam o emprego em julho, mas Bolsonaro lidera disputa eleitoral de 2022
  • Bolsonaro seria reeleito se eleição fosse hoje, afirma pesquisa