Governador Eduardo Leite (RS) testa positivo para Covid-19

Publicado em 24 julho, 2020

O governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB) anunciou pelo Twitter, nesta sexta-feira (24), que testou positivo para o novo coronavírus. Ele informou que cancelou sua agenda de trabalho.

“Após um teste RT-PCR e mesmo estando assintomático, fui surpreendido agora há pouco com o resultado positivo para Covid-19. Cancelei as minhas agendas e iniciei isolamento, seguindo as instruções médicas”, escreveu na rede social.

.

LEIA TAMBÉM:

Rodrigo Maia ‘segura’ 48 pedidos de impeachment de Bolsonaro na Câmara

.

Covid-19: Prefeitura de São Paulo adia Carnaval 2021

Entregadores de aplicativo fazem nova greve de 24h neste sábado

1,7 milhão brasileiros já perderam o emprego em julho, mas Bolsonaro lidera disputa eleitoral de 2022

.

O IBGE afirma que 1,7 milhão de brasileiros perderam o emprego no início deste mês julho, mas, contraditoriamente, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) lidera todos os cenários possíveis para a eleição de 2022. Segundo a Paraná Pesquisas, Bolsonaro seria reeleito se a eleição fosse hoje, a despeito do aumento de desemprego no País.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, entre os dias 28 de junho e 4 de julho, eram 11,5 milhões de pessoas desempregadas. O IBGE recorda que na semana anterior, eram 12,4 milhões.

Ainda de acordo com o IBGE, a população fora da força de trabalho também teve alta: passou de 75,1 milhões para 76,8 milhões, ou seja, o desemprego atinge metade da população economicamente ativa do Brasil. Ao menos 28,7 milhões desse grupo disseram que gostariam de trabalhar, porém não encontram ocupação.

.

A pesquisa PNAD Covid-19, divulgada nesta sexta-feira (24), atesta que cerca de 19,4 milhões de pessoas fora da força de trabalho gostariam de trabalhar, mas não procuraram trabalho na semana por causa da pandemia ou porque não encontraram ocupação no local em que moravam.

Até o fechamento do mês, na próxima sexta (31), a situação do desemprego tende a piorar, haja vista o governo –até agora– não ter apresentado nenhuma proposta de retomada do desenvolvimento, de estimular a produção, o emprego e o consumo.