Silas Malafaia x Olavo de Carvalho

Dizem que não é aconselhável misturar política e religião, mas o pastor Silas Malafaia resolveu descer ao nível da cloaca –mais uma vez—para bater boca, agora, com o astrólogo Olavo de Carvalho.

Tomando as dores do presidente Jair Bolsonaro, com quem se encontrou na sexta-feira (5), o religioso xingou ‘falido’ e ‘covarde’ o astrólogo Olavo de Carvalho.

Guru de Bolsonaro, familiares e ministros, Olavo surtou este fim de semana devido à abstinência de dinheiro.

O empresário Luciano Hung, o Véio da Havan, com medo de ser empalado com as medalhas condecorativas, prometeu arrecadar bufunfa para recomprar o apoio do astrólogo.

Em um vídeo publicado no domingo (7), Olavo de Carvalho detonou o presidente Bolsonaro chamando-o de ‘inativo’ e ‘covarde’. Reclamou do abandono financeiro e ameaçou derrubar essa ‘bosta ‘ de governo.

Já o Véio da Havan foi classificado como ‘Zé Carioca’ e ‘palhaço’.

Pastor Silas Malafia, então, agiu como batedor de Bolsonaro no Twitter:

“UM DESAFIO A OLAVO DE CARVALHO ! Você é um astrólogo falido . Quem é você para derrubar um governo ? Você não derruba nem síndico de predio . Escondido na América , quer que Bolsonaro de defenda do que? COVARDE ! Fica de longe falando asneira e fazendo acusação idiota. SÓ KKKKK”

Crendiospai! Todos irão queimar no fogo do inferno!

LEIA TAMBÉM

Véio da Havan sugere comprar Olavo de Carvalho por trinta dinheiros

Olavo de Carvalho chama Véio da Havan de ‘palhaço’ e ‘Zé Carioca’

Olavo de Carvalho para Bolsonaro: ‘eu derrubo essa merda de governo’; assista

Impeachment de Bolsonaro reduzia o custo Brasil, diz Valor

O jornal Valor Econômico já enxerga o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como apenas um número negativo, que precisa ser eliminado para não criar um círculo vicioso na economia nacional. Por isso, o ‘impeachment seria solução mais barata e pactuada’ para o Brasil.

O jornalão consorciado com a Globo e a Folha publico entrevista nesta segunda-feira (8) com o economista e cientista político Bruno Wanderley Reis, diretor da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Para o entrevistado, é inconsolável o quadro político atual e futuro traçado no âmbito do governo Bolsonaro.

Na entrevista ao Valor, o professor afirma que a “degradação dos marcos de convivência política no país é patente” e que o palco armado de disseminação de notícias falsas – o que ele classifica de “terraplanismo político” – acelera a corrosão do Brasil.

Para Bruno Reis, fato de Bolsonaro sair do “esgoto da política” e chegar à Presidência é prova da falência institucional.