PGR vai investigar mensagens de Carla Zambelli a Sérgio Moro

O procurador-geral da República, Augusto Aras, determinou a abertura de uma apuração preliminar para verificar eventuais indícios de crime nas mensagens enviadas pela deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) ao ex-ministro da Justiça Sérgio Moro.

A medida foi tomada em razão de uma notícia-crime apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) por deputados do PT. Os parlamentares acusam Carla Zambelli de ter cometido advocacia administrativa e tráfico de influência.

As mensagens trocadas entre Carla Zambelli e Sergio Moro foram incluídas no inquérito que apura se o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tentou interferir na Polícia Federal (PF).

Nas mensagens, Carla Zambelli pedia que Sérgio Moro aceitasse a substituição do chefe da PF em troca de uma vaga no Supremo.

LEIA TAMBÉM:
Tacla Duran rebate ex-ministro Sérgio Moro sobre propina na Lava Jato

Moro surta com possível acordo entre a PGR e Tacla Duran

Dallagnol ataca PGR por desengavetar delação que atinge compadre de Moro

Em manifestação enviada ao STF, Aras informou que determinou a instauração de Notícia de Fato, um procedimento interno, que é destinado a averiguação dos fatos relatados e que tomará medidas cabíveis, se for necessário.

“Na eventualidade de serem reunidos indícios robustos de possível prática de ilícitos, serão adotadas as medidas legalmente cabíveis”, escreveu o PGR.

Assim, Aras pediu que o ministro Celso de Mello, do STF, arquive a petição feita pelos deputados do PT, uma vez que a Procuradoria-Geral da República (PGR) vai avaliar o caso.

Com informações do G1.