Brasil ruma para a extinção do trabalho com carteira assinada

É mais fácil encontrar uma agulha no palheiro do que um trabalhador com carteira assinada. O Brasil ruma a passos largos para a extinção do trabalho com carteira assinada. E essa tendência já era verificada antes mesmo da pandemia de coronavírus.

Embora o vírus integral culpa, a desastrosa política econômica do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e Paulo Guedes acelerou a queda do emprego formal no País.

Em maio, auge da Covid-19, foi o terceiro mês seguido de desempenho negativo emprego com carteira assinada.

Segundo dados divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, 331.901 postos de trabalho com carteira assinada foram fechados no último mês. O indicador mede a diferença entre contratações e demissões.

Apesar do encolhimento do emprego formal, houve “melhora” em relação a abril, quando haviam sido fechados 860.503 postos.

A retração de empregos com carteira assinada totaliza 1.144.118 de janeiro a maio.

LEIA TAMBÉM

  • Pandemia da Covid-19 “não está nem perto de terminar”, diz diretor-geral da OMS
  • Lava Jato agiu nas sombras para tirar Requião do Senado, diz site
  • Globo fica ensandecida com investigações da PGR sobre atuação da Lava Jato
  • Novo ministro da falta de Educação deve cair antes de assumir
  • URGENTE: MP pede lockdown no Paraná
  • Saque emergencial do FGTS de até R$ 1.045 começa a ser depositado nesta segunda (29)
  • Na divisão por ramos de atividade, quatro dos cinco setores pesquisados fecharam empregos formais em maio. A estatística foi liderada pelos serviços, com a extinção de 143.479 postos, seguido pela indústria (de transformação, de extração e de outros tipos), com 96.912 postos a menos. Em terceiro lugar, vem o comércio com o fechamento de 88.739 postos de trabalho.

    O nível de emprego diminuiu na construção civil com o fechamento de 18.758 postos. Somente o grupo que abrange agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura criou empregos com carteira assinada no mês passado, com a contratação de 15.993 pessoas.

    Nos serviços, a extinção de empregos foi puxada pelo segmento de alojamento e alimentação (que engloba hotéis e restaurantes), com o fechamento de 54.313 postos formais. A categoria de serviços de informação, comunicação e atividades financeiras, atividades imobiliárias, profissionais e administrativas fechou 37.687 vagas.

    Na indústria, o destaque negativo ficou com a indústria de transformação, que demitiu 94.236 trabalhadores a mais do que contratou. Em segundo lugar, ficou a indústria de água, esgoto, atividades de gestão de resíduos e descontaminação, que fechou 2.209 vagas.

    As novas estatísticas do Caged, apresentadas desde o mês passado, não detalham as contratações e demissões por segmentos do comércio. A série histórica anterior separava os dados do comércio atacadista e varejista.

    Todas as regiões brasileiras extinguiram empregos com carteira assinada em maio. O Sudeste liderou o fechamento de vagas, com 180.466 postos a menos, seguido pelo Sul com menos 78.667 postos e pelo Nordeste com menos 50.272 postos. O Centro-Oeste fechou 12.580 postos de trabalho e o Norte extinguiu 10.151 postos formais no mês passado.

    Na divisão por unidades da Federação, apenas o Acre registrou saldo positivo, com a criação de 130 vagas com carteira assinada. As maiores variações negativas ocorreram em São Paulo com o fechamento de 103.985 postos; Rio de Janeiro, 35.959 postos; Minas Gerais, 33.695 postos, e Rio Grande do Sul, 32.106 postos de trabalho.

    Com informações da Agência Brasil.