Coronavírus: Coveiros de São Paulo ameaçam entrar em greve


O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Paulo (Sindsep) denuncia a falta de equipamentos de proteção aos trabalhadores nos cemitérios, necrotérios e rabecões, veículos que recolhem os cadávares na capital paulista.

A capital paulista tem o maior número de mortes pelo coronavírus no Brasil, com 121 óbitos segundo o mais recente balanço da secretaria estadual de Saúde de São Paulo.

O sindicato também aponta que o material de proteção fornecido até agora incluía máscaras vencidas e número insuficiente de roupas de proteção.

Os trabalhadores entregaram na terça-feira (31) um documento com exigências ao Serviço Funerário paulista, apontando a demanda de equipamentos de proteção, a contratação de 200 funcionários já aprovados por concurso, que velórios sejam suspensos e que funcionários acima de 60 anos de grupos de risco sejam dispensados do trabalho.

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro sanciona auxílio de R$ 600 durante pandemia com vetos

PT condena remoção de comunidade quilombola de Alcântara no Maranhão

Brasil tem 240 mortes por coronavírus

Ainda segundo o Agora, a prefeitura tucana de Covas afirmou que 60% dos profissionais funerários foram afastados por terem mais de 60 anos e fazerem parte do grupo de risco.

Além disso, alegam que estão contratando coveiros temporários, adquirindo equipamentos de proteção e reduzindo o tempo em velórios.