Fugas coletivas e rebeliões em presídios de São Paulo devido ao coronavírus

Compartilhe agora


Uma onda de fugas massivas de presos e rebeliões foram registradas em São Paulo entre o final da tarde e o início da noite desta segunda-feira (16) em ao menos sete Centros de Progressão Penitenciária do Estado de São Paulo.

No presídio de Mongaguá, litoral de São Paulo, cerca de 400 detentos fugiram no início da noite. Um vídeo do momento da fuga que viralizou nas redes sociais mostra centenas de presos correndo. Segundo apurado pela Jovem Pan, ao menos 8 agentes penitenciários foram feitos reféns.

Veja o registro do internauta sobre a fuga coletiva do presídio de Mongaguá:

Uma autoridade que investiga o PCC (Primeiro Comando da Capital) afirmou à reportagem que os motins são ações direcionadas da facção criminosa. Todas as penitenciárias que registraram rebeliões são unidades de regime semi-aberto. Os motins teriam acontecido por conta da proibição das “saidinhas” em razão do surto de coronavírus.

LEIA TAMBÉM:

Centrais sindicais querem proteção ao emprego e à produção enquanto durar a crise

Presidente da golpista CNI infectado por coronavírus

França decide por quarentena geral e suspende cobrança de luz, água e gás

Até o momento, houve rebeliões registradas nos presídios de Mirandópolis, Mongaguá, Porto Feliz, Sumaré e Taubaté.

*Com informações da Jovem Pan