Irã: Novas manifestações nesta segunda; governo nega repressão

Publicado em 13 janeiro, 2020


Novas manifestações ocorreram em Teerã nesta segunda-feira (13), o terceiro dia consecutivo de protestos após o governo iraniano assumir ter abatido por engano um avião de passageiros da Ukranian Airlines, matando 176 pessoas, sendo 82 de nacionalidade iraniana.

Os primeiros protestos irromperam no sábado (11) durante uma vigília em memória das vítimas da explosão, com palavras de ordem que pediam a renúncia do presidente Hassan Rohani e até a saída do país do líder supremo, aiatolá Ali Khamenei.

Vídeos publicados nas redes sociais na noite de domingo (12) registraram tiros nas proximidades dos protestos na Praça Azadi de Teerã. Outras postagens mostraram batalhões de choque golpeando manifestantes com cassetetes enquanto pessoas próximas gritavam “Não batam neles!”

LEIA TAMBÉM:

Irã: Protestos nas ruas Teerã contra governo por ‘mentir’ sobre queda de avião

Irã pede expulsão de embaixador britânico após protestos contra governo

Moro tem agenda anti-Bolsonaro e anti-Lula para 2020

“Morte ao ditador”, mostraram imagens de manifestantes, que circulam nas redes sociais, dirigindo sua revolta ao líder supremo, Ali Khamenei.

“Eles estão mentindo que nosso inimigo é a América, nosso inimigo está bem aqui”, bradava outro manifestante diante de uma universidade de Teerã.

O governo iraniano nega as ações repressivas contra os manifestantes. “Nos protestos, a polícia não atirou de forma nenhuma, porque os policiais da capital foram ordenados a mostrar comedimento”, disse Hossein Rahimi, chefe de polícia de Teerã, em um comunicado publicado pelo site da emissora estatal.

*Com agências internacionais