Bolsonaro desmonta Dataprev: Fecha 20 unidades e demite funcionários

Compartilhe agora


A empresa de tecnologia Dataprev vai fechar 20 unidades regionais e demitir 493 funcionários, anunciou a direção da estatal em seu site na quarta-feira (8). A Dataprev integra a lista de empresas que serão privatizadas no governo Bolsonaro.

A Dataprev processa o pagamento de cerca de 35 milhões das aposentadorias do país, é responsável pela aplicação on-line da liberação do seguro desemprego e pelo processamento dos dados nas Agências da Previdência Social e dos postos do Sistema Nacional do Emprego (Sine), além de processar as informações previdenciárias da Receita Federal.

A decisão representa o desmonte de um serviço que permite a facilitação do acesso ao cidadão brasileiro a diversos direitos sociais e concessão automática de vários benefícios como aposentadorias ou salário-maternidade, por exemplo.

As unidades que serão fechadas são as de Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Sergipe, Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins. As atividades da empresa permanecem no Ceará, Distrito Federal, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo.

LEIA TAMBÉM:

Porta dos Fundos: Toffoli derruba censura contra especial de Natal

França: Milhares em Paris e 216 manifestações contra Macron nesta quinta

Bolsonaro sanciona lei que cria carteira nacional de identificação do autista

A empresa tem 3.360 funcionários. As demissões representam 15% dos servidores, que têm até o dia 20 de janeiro para aderir a uma espécie de programa de demissão voluntária, que está sendo denominado pela empresa de Programa de Adequação de Quadro (PAQ).

Os funcionários que não aderirem ao programa serão demitidos, recebendo as verbas rescisórias previstas na legislação trabalhista, como multa de 40% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

A Dataprev é uma empresa lucrativa e teve faturamento projetado para 2019 de R$ 1,6 bilhão e lucro de R$ 170 milhões.

As entidades que representam os funcionários já preparam uma série de atividades para resistir às demissões e à privatização da empresa.