Requião: Estadão divulga fake news sobre investigação do PMDB do Paraná

| Comente agora

O senador Roberto Requião (MDB-PR) afirmou que o Estadão e a Gazeta do Povo mentem e disseminam fake news sobre suposta a investigação do MDB do Paraná, que ele preside, sobre um suposto esquema de pagamentos milionários da JBS. O parlamentar divulgou um extrato do pedido de abertura de inquérito, solicitado pelo ministro Edson Fachin, do STF, que desmente a notícia falsa.

“(ii) análise de doações eleitorais efetuadas pela JBS ao PMDB/PA, PMDB/SE, PMDB/AP, PTB/PB, PT do B/nacional, no ano de 2014, e eventual atuação dos parlamentares em favor da empresa”, diz o trecho da decisão de Fachin que determina as diligências pela Polícia Federal.

A fake news (notícia falsa) do Estadão, reproduzida pela Gazeta do Povo, foi divulgada no mesmo dia em que Requião se colocou como candidato à Presidência da República. O senador paranaense anunciou que baterá chapa na convenção nacional do MDB com o ex-ministro dos bancos privados Henrique Meirelles.

Requião tem frisado que o MDB do Paraná é diferenciado em relação à cúpula nacional do MDB, a quem faz sistemática oposição, e tem ressaltado que a agremiação no estado é nacionalista, progressista e antineoliberal.

A fake news da velha mídia, segundo o pré-candidato a presidente da República do MDB, tem a ver com uma certa blindagem e vassalagem ao sistema financeiro que escraviza o povo e os trabalhadores brasileiros.

“Quero escutar o PMDB profundo, com suas raízes nacionalistas, democráticas e populares. Se ele existe ouviremos sua voz. Ninguém nos calará”, reagiu Requião.

A mídia em conluio com o “mercado financeiro” (leia-se bancos privados) têm adotado como padrão ataques à pré-candidatos nacionalistas. Foi assim com Lula, que é mantido preso político; ocorreu com o ex-governador Jaques Wagner (Bahia); o ex-prefeito Fernando Haddad, de São Paulo; e agora com Requião, embora o MDB do Paraná sequer seja investigado.

Portanto, os jornalões estão inovando ao fabricar denúncias falsas. Já não bastam as fake news.