Por Esmael Morais

PM é chamada para conter greve na Unimed, denuncia UGT-PR

Publicado em 22/06/2017

O presidente do Sindicato Dos Empregados em Cooperativas de Serviços Médicos do do Paraná (Secoomed), Rogério Kormann, adiantou que a equipe jurídica da UGT, à qual o sindicato está filiado, vai ingressar com representação por improbidade administrativa contra o governador Beto Richa, bem como denunciar a Unimed no Ministério Público do Trabalho e na própria OIT, por prática antissindical.

“A presença da polícia militar frente à Unimed Paranaguá, mostra o total desvio das funções do Estado na manutenção da paz e da segurança pública”, diz Rogério Kormann, presidente do Secoomed.

O dirigente sindical lembrou que Paranaguá apresenta um dos maiores índices de criminalidade do estado e a PM, ao invés de tratar de assuntos de interesse da cidadania parnanguara, desvia efetivo e viatura para reprimir uma assembleia de trabalhadores, atuando diretamente num assunto de restrito interesse empresarial.

Os trabalhadores da Unimed estão em processo de assembleia para discutir a campanha salarial 2017. A categoria discute entrar em greve por tempo indeterminado porque a cooperativa reajustou os planos de saúde dos usuários em 13,55%, mas ofereceu apenas 5%.

O Secoomed reivindica reajuste salarial na ordem de 9,5%.