Coluna do Requião Filho: à‰ possível um governo forte com mais segurança e menos marketing

Publicado em 17 julho, 2014
Compartilhe agora!

Requião Filho, em sua coluna desta quinta, mergulha na filosofia de Confúcio, de 500 a.C., para salientar a importância do passado  na construção do futuro; ao fazer uma verdadeira autópsia na segurança pública do Paraná, que sofreu com falta de equipamentos e gasolina, o colunista especialista em políticas públicas afirma: "Vejo a manipulação do marketing que mente, maquia, ilude"; Requião Filho defende modelo de polícia cidadã com autoestima, democrática, equipada e inserida no contexto social;  leia o texto e compartilhe.
Requião Filho, em sua coluna desta quinta, mergulha na filosofia de Confúcio, de 500 a.C., para salientar a importância do passado na construção do futuro; ao fazer uma verdadeira autópsia na segurança pública do Paraná, que sofreu com falta de equipamentos e gasolina, o colunista especialista em políticas públicas afirma: “Vejo a manipulação do marketing que mente, maquia, ilude”; Requião Filho defende modelo de polícia cidadã com autoestima, democrática, equipada e inserida no contexto social; leia o texto e compartilhe.
Requião Filho*

“Conta-me o teu passado e saberei teu futuro”, cravou o sábio chinês Confúcio, vinte e cinco séculos atrás.

Há milênios o pensador nos impulsiona num revoar de reflexões, nunca velhas, nunca ultrapassadas. E ainda há aqueles que não aprenderam.

Apreciadores de mordomias vivem muito bem o presente, mas desprezam o passado e as histórias de bons exemplos.

Quando olho a situação da segurança pública do Paraná, me assusto, cada dia mais, com o que infelizmente vejo, ouço e sinto.

Vejo a manipulação do marketing que mente, maquia, ilude.

Vejo a polícia imobilizada seguindo modelos ultrapassados, que acaba por não conseguir prestar seu serviço de forma democrática e eficaz.

Vejo que a segurança pública precisa ser discutida por quem a entende e por pessoas abertas ao diálogo com a população, que compreendam a exclusão social e os fatores que geram a violência. à‰ necessário aproximar o policial do cidadão.

Não se pode perder de vista que a questão da segurança encontra-se diretamente relacionada à  oferta e qualidade de emprego, moradia, saneamento, asfalto, saúde, educação e, especialmente, à  valorização e reconhecimento da corporação que defende a população. Por esta razão, é necessário garantir-lhes condições dignas de trabalho.

Almejo como todos a viabilização de uma polícia cidadã e efetivamente parte e perto do povo. Uma polícia de todos, do Abranches ao Tatuquara, de Paranaguá à  Foz do Iguaçu, de General Carneiro à  Jardim Olinda. A polícia da mobilidade e do movimento, cotidianamente ao lado da população, trazendo o Estado para os caminhos do equilíbrio e do pacto pela paz.

Idealizo, ainda, uma segurança pública de diálogo franco, sincero e objetivo, envolvendo todos os setores da sociedade na busca por soluções que diminuam o conflito de classes, a miséria e a falta de perspectiva que geram a violência e abrem as porteiras para a criminalidade.

Gostaria de ver em franco funcionamento uma polícia da democracia e da eficiência, de porta em porta, do atendimento imediato por celular na mão do policial militar. à‰ necessário que o policial seja valorizado e humanizado, devidamente armado, orgulhoso por pertencer a corporação, sustentado moralmente por um governo forte e corajoso que lhe ampara na luta contra o crime, com salários em dia, embarcado em viaturas abastecidas e bem mantidas, alimentado e, podendo contar com os animais da corporação, pronto para o combate.

A polícia pode, conforme já ocorreu no passado, estar de fato perto do povo e por ele trabalhar, a exemplo do que outrora ocorreu no bairro Zumbi dos Palmares, em Colombo, onde havia patrulhamento ostensivo, asfalto novo, moradia digna, mercearia abastecida, cidadão feliz vez que longe da enchente e do barraco de lata, o qual podia sorrir com dignidade. Antes um bairro violento e abandonado, ganhou nova vida. Este é um exemplo de uma mudança para a construção de um Estado melhor e é a prova de que, quando existe vontade política, vidas podem ser transformadas.

O exemplo acima mencionado é a prova de que é possível se levar urbanização, saúde e estímulo a todos os cantos, fazendo renascer a honra de ser paranaense e pertencer a uma comunidade cheia de dignidade e com espaço para o crescimento e o desenvolvimento sustentável.

Assim, seguindo os bons trilhos já percorridos no passado, espero que o futuro, nos reserve o desenvolvimento e o dinamismo honesto e sincero que nos estimula e faz crescer.

Deste modo, eu, assim como todo o povo, sonho com um governo humilde, verdadeiro, democrático, reto, dinâmico e comprometido com a realidade da população e que por ela trabalhe, trazendo segurança plena e promovendo a verdadeira justiça social.

*Requião Filho é advogado, especialista em políticas públicas, escreve à s quintas no Blog do Esmael.

Compartilhe agora!

Comments are closed.