Que tal um plebiscito para recriar a frota pública de ônibus em Curitiba?

Na década de 80, na prefeitura de Curitiba, Requião criou a frota pública que competia com as empresas privadas; na época, também se estipulou remuneração por quilômetro rodado, além de definir rotas e horários dos ônibus; plebiscito entre curitibanos pode dar força à  recriação do modelo e pôr fim ao monopólio familiar no setor; em tempos de CPI da Urbs, momento é propício para consultar população sobre a implantação do passe livre aos estudantes, sem restrições.

Na década de 80, na prefeitura de Curitiba, Requião criou a frota pública que competia com as empresas privadas; na época, também se estipulou remuneração por quilômetro rodado, além de definir rotas e horários dos ônibus; plebiscito entre curitibanos pode dar força à  recriação do modelo e pôr fim ao monopólio familiar no setor; em tempos de CPI da Urbs, momento é propício para consultar população sobre a implantação do passe livre aos estudantes, sem restrições.

O tema transporte público! veio para ficar em Curitiba, depois dessas manifestações de rua que sacudiram o país. Houve medidas paliativas da prefeitura, do governo federal e do estadual, que redundaram na redução do aumento da tarifa para R$ 2,70 (tinha subido em março de R$ R$ 2,60 para R$ 2,85), mas isso está longe de resolver o problema estrutural que o sistema apresenta. Uma das medidas para reduzir ainda mais o preço da passagem, implantar a tarifa zero a todos os estudantes (sem restrição de renda), e melhorar a qualidade do serviço, a meu ver, só seria possível com a recriação da frota pública de ônibus.

à‰ consenso que o atual modelo de empresas privadas e familiares, campo fértil para toda sorte de picaretagem, não dá mais. Esse modelito do século passado não presta mais, nem serve mais como farol! para outros municípios e países. Pelo contrário, é algo para não ser seguido por ninguém em perfeito juízo.

Acho que a cidade de Curitiba precisa realizar um plebiscito para decidir se recria ou não sua frota pública de ônibus. Ela não excluiria a atual frota privada. Os dois sistemas (público e privado) podem ser complementares e competitivos entre si nas modalidades preço e qualidade. O atual monopólio privado não presta, não serve, pois se utiliza de um capitalismo sem risco! onde o provedor é o Estado. Tarifa técnica é conversa para boi dormir.

A Lei Orgânica Municipal de Curitiba, atualizada em 20 de dezembro de 2011, prevê que a Câmara de Vereadores pode convocar plebiscito quando o assunto envolve endividamento considerável e impliquem em significativa alteração do aspecto da cidade, ou do meio ambiente, com reflexos sobre a vida e os interesses da população.

O Legislativo Municipal tem que ter coragem para encaminhar essa proposta à  consulta popular. Os vereadores não podem ser vaquinha de presépio, sob pena de as ruas invadirem aquela Casa. A propósito, os parlamentares têm em seu colo a CPI da Urbs! e necessariamente precisarão de um desfecho.

Em Curitiba, a primeira experiência com a frota pública de ônibus ocorreu na gestão do então prefeito Roberto Requião (PMDB), entre 1986 e 1988, que foi defenestrada pelos empresários privados na Justiça. O plebiscito daria legitimidade à  recriação do sistema público de transporte coletivo tal qual em todas as capitais modernas do mundo.

Requião criou a frota pública e pagava aos empresários por quilômetro rodado. Além disso, era a prefeitura que estabelecia as rotas e os horários dos ônibus. O senador lembrou que os empresários não atualizam a frota, mas mesmo assim cobram pela depreciação dos carros.

Por que isso? Por que é o sistema de transporte que financia campanhas eleitorais? à‰ o “caixa 2” que é garantido pela relativa desatenção de prefeitos e governadores!, questionou esta semana em seu site.

O plebiscito também poderia consultar os curitibanos sobre as gratuidades na tarifa, a exemplo do passe livre para todos os estudantes de 1!º, 2!º e 3!º graus, sem a necessidade de apresentarem atestado de pobreza como é hoje.

13 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Ótimo post Esmael! Inacreditável o que estas empresas fazem… e nunca se dizia nada… pelo menos agora já tem mais gente falando disso… http://abuladabola.blogspot.com.br/2013/06/baroes-nu.html

  2. O Requião na epoca faltava pouco para ser o “coalhada”.
    Melhorou depois que ficou velho.

    • kkkkkkkkkkkkk! verdade, estava eu tentando me lembrar com quem se parecia o Requião nesta foto e voce desvendou, o coalhada!!!

  3. Esse negocio prebicito ta enchendo o saco ,nã se fala outra coisa..

  4. Que interessante…Vamos Recriar a frota pública de ônibus, vamos comprar uns ligeirões, aqueles azuis de 28 metros de comprimento, uns 80 veículos, mandamos a CASA DA MOEDA fabricar o dinheiro pra pagarmos aos fabricantes…. Já que o comunismo voltou a moda, podemos também expropriar os atuais veículos de seus donos e repassá-los ao pode público… E se os motoristas e cobradores não se redimiram ao novo sistema, mandamos todos pra Sibéria…
    Legal tudo fácil de resolver, é só querer e pronto…

    • Pare seu piadista capitalista1… Comunismo ?Por que não podemos ter uma frota Publica? Assim teriamos como controlar os lucros gigantesco desta turma de vampiro ou o senhor piadista Trabalhador . Prefere a época do feldalismo na idade medía em que o povo fudido e a nobreza cada dia mais rica ! A custa do sofrimento do trabalhador. Requião tem sempre defendido os mais pobres .
      com ideias simples e justas recriar uma frota publica será a unica solução para evitar tanto desrespeito ao trabalhador .

      .

      • Então vamos fazer a tal frota, topa mais um aumentinho de imposto pra financiar o empreendimento?

        Que legal, mais uma empresa pública pra gerar cargos em comissão para os cupinchas dos políticos, mais um cabide de emprego… O poder público não tem competência para administrar um negócio desse, porque são um bando de gente preguiçosa que não é chegada em trabalhar..

        Roberto Requião de Mello e Silva é é filho do médico e ex-prefeito de Curitiba, Wallace Thadeu de Mello e Silva, portanto membro de influente família política paranaense…Membro então da quadrilha que domina esta terra faz tanto tempo….ISSO SIM É UM DESRESPEITO…Que acabe a monarquia paranaense…

  5. Dia desses ouvi uma piada da época que Requião era Prefeito: que ele teria ido a Brasília buscar recursos e que disseram para não espalhar o dinheiro, então ele implantou ‘lombadas’ (ondulações transversais) por toda cidade. A pessoa que me contou falou que na época essa piada foi contada na frente da pessoa que era do IPPUC e que foi o responsável por isso, o qual não riu. Se alguém contar essa piada para alguns Secretários municipais um não vai rir…

    • Pra dirigir os onibus, pegamos um ex-secrtário que tinha 600 pontos na carteira…

      Desta, ele não vai rir… vai gargalhar…

  6. MAIS UM MOTIVO PARA O REQUIÃO VOLTAR PARA O GOVERNO DO ESTADO

    • Nao é o governo do estado que decide sobre isso…
      Transporte publico é responsabilidade da prefeitura…
      Mas sobre a noticia, sinceramente acho que a frota se sucatearia…
      O que tem que ser revisto sao os contratos, que garantem altos lucros aos empresário…

  7. o requião foi o único a peitar os empresários das empresas de ônibus