Colunista da Folha aponta três fortes derrapadas de Mercadante que podem manter Gleisi na Casa Civil

do Brasil 247

Colunista Elio Gaspari bate duro no ministro mais forte do governo Dilma, que teria patrocinado "três lances de gênio"; a constituinte exclusiva, que "durou 24 horas", o plebiscito da reforma política, "que durou duas semanas", e, agora, a reorganização do ensino de medicina, outra ideia que, segundo ele, tende a fracassar; "é mais fácil mudar um cemitério de lugar do que alterar os currículos das faculdades de medicina; as três derrapadas de Mercadante, na prática, fortelecem a ministra Gleisi Hoffmann na Casa Civil.

Colunista Elio Gaspari bate duro no ministro mais forte do governo Dilma, que teria patrocinado “três lances de gênio”; a constituinte exclusiva, que “durou 24 horas”, o plebiscito da reforma política, “que durou duas semanas”, e, agora, a reorganização do ensino de medicina, outra ideia que, segundo ele, tende a fracassar; “é mais fácil mudar um cemitério de lugar do que alterar os currículos das faculdades de medicina; as três derrapadas de Mercadante, na prática, fortelecem a ministra Gleisi Hoffmann na Casa Civil.

Cotado para assumir a Casa Civil depois de uma provável reforma no gabinete do governo Dilma, o ministro Aloizio Mercadante, da Casa Civil, foi duramente criticado pelo jornalista Elio Gaspari, colunista do Globo e da Folha. Segundo Gaspari, Mercadante é o “articulador do caos”. Na prática, as três principais derrapadas do ministro da Educação fortalece a posição da atual titular da Casa Civil, Gleisi Hoffmann. Leia abaixo:

Mercadante, o articulador do caos

A extensão de seis para oito anos do curso de medicina penalizará quem ralou pagando faculdade privada

Na condição de articulador de iniciativas da doutora Dilma, o comissário Aloizio Mercadante patrocinou três lances de gênio. A saber:

1) A convocação de uma constituinte exclusiva para fazer uma reforma política. Durou 24 horas.

2) A convocação de um plebiscito para que o eleitorado definisse os marcos da reforma. Durou duas semanas.

3) Com o copatrocínio do ministro Alexandre Padilha, da Saúde, propôs a reorganização do ensino médico, aumentando-o de seis para oito anos.

Na semana passada informou-se aqui que as burocracias do MEC e das universidades federais faziam uma exigência maluca para médicos formados no exterior que quisessem revalidar seus diplomas. Caso queira trabalhar no Brasil, um doutor que se formou em Harvard e trabalha na clínica de Cleveland é obrigado a atestar que mora em Pindorama, mesmo tendo nascido aqui. Sem isso não pode pedir a revalidação, que demora até um ano. Até lá, vive de quê?

A exigência será eliminada, tudo bem, mas havia coisa pior. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, Inep, não sabe dizer quem pôs o jabuti na forquilha do programa Revalida, muito menos por quê. Essa mesma condição é exigida na rotina das revalidações de universidades federais. Puro obstáculo para blindar o mercado. Produto da onipotência dos educatecas.

Agora Mercadante e Padilha querem que os estudantes de medicina trabalhem no SUS por dois anos. Novamente, trata-se de um exercício de onipotência.

Ele se esconde atrás do argumento do aperfeiçoamento dos médicos. Trata-se de uma lorota, pois o Brasil tem medicina há séculos e suas deficiências não derivam da formação dos doutores, mas do desperdício de dinheiro público e da ganância dos interesses privados, inclusive de médicos.

Imagine-se dois estudantes. Aloizio é filho de um banqueiro, estudou em bons colégios e entrou para uma das melhores faculdades de medicina. Como são todas públicas, fará o curso sem desembolsar um tostão. Alexandre é filho de um bancário que trabalha para o pai de Aloizio. Não teve boas escolas, mas foi aprovado numa instituição privada. A família cacifou algo como R$ 300 mil, só em anuidades.

Seria razoável que Aloizio devolvesse em serviços para o SUS os seis anos de faculdade gratuita. Essa é uma antiga proposta de médicos do setor público. Alexandre, contudo, precisa trabalhar para aliviar o orçamento do pai bancário. Tem 26 anos, estuda há dezoito e agora querem obrigá-lo a ir para um regime de liberdade condicional trabalhando no SUS por mais dois, ganhando entre R$ 3 mil e R$ 8 mil (só os mandarins de Brasília acham que essas duas quantias são similares).

Se os comissários fossem menos onipotentes, os dois anos de serviço ao SUS seriam opcionais para quem estudou medicina em faculdade privada.

Quem entende do assunto jura que essa iniciativa, que começaria a valer em 2015, terá o mesmo destino que a constituinte e o plebiscito, pois é mais fácil mudar um cemitério de lugar do que alterar os currículos das faculdades de medicina.

11 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Fernando,
    Se ela não fez nada pelo Paraná como Senadora e Ministra da Casa Civil o que dizer do Beto Richa que é o governador do Paraná ha mais de dois anos e meio e até agora não fez nada além de favorecer os amigos próximos? Você que é do circulo de puxa saco, sabe nos dizer quando o Beto Richa pretende começar o choque de gestão?
    O Beto capitaliza os investimentos do governo federal e socializa o ônus das manifestações – para ele as manifestações são apenas contra a Dilma. Ninguém foi as ruas contra a indignação dos seus conchavos com a ALEP e o Presidente do TJ/PR para eleger o Fabio Camargo, depois de ter prometido apoio ao Plauto Miró… Ninguém foi às ruas para manifestar contra sua jogada de mestre de criar uma secretaria e dar foro privilegiado para o ficha suja Ezequias Moreira – o homem da sogra fantasma.

  2. O pior é que a Dilma adora o caos, participou do governo mais caótico da historia da republica nova e deu prosseguimento ao caos no seu governo…

    • Mais um que participa do filme “guerra mundial z”
      Se o pais desmoronar,tomara que a primeira pilastra caia na sua cabeça.
      Sujeito tonto,

  3. para a gleici ganhar a eleição ela terá que sair do governo dilma o quanto antes e começar a andar pelo paranazão.

  4. Mas na polha existe uma publicação que :JOaquim Barbosa disse que a imprensa nunca deu bola para o mensalão tucano. O ministro Aires brito recebeu em dezembro 2003 a denuncia do mensalão mineiro, mas engavetou. segundo fontineles..

  5. Tem muita gente beirando a cerca, como dizia o velho Brizola! Tem muita gente querendo arrumar casamento para o viúvo. Tem gente do entorno da presidente Dilma conversando demais com turma do FHC. Alguns lunáticos acham que para acalmar a classe média fascista que vem apoiando os protestos tem que conversar com FHC e menos com LULA. Ai está a origem das derrapadas do governo.

  6. Élio Gáspari? Quem é Élio Gáspari?

    • Chegou ao Brasil ainda na infância. Começou a carreira jornalística num semanário chamado Novos Rumos, e depois foi auxiliar do colunista social Ibrahim Sued, passando a seguir por publicações de destaque, como o Diário de São Paulo, a revista Veja e o Jornal do Brasil.
      É colunista do jornal Folha de S. Paulo, jornal diário de São Paulo, onde está radicado, tendo seus artigos difundidos para outros jornais, dentre os quais O Globo do Rio de Janeiro, Correio do Povo de Porto Alegre, O POVO de Fortaleza e A Tribuna de Vitória
      Em seus artigos, trata com ironia as personalidades. Para tanto, lança mão de personagens como Madame Natasha, professora de português que “condena a tortura do idioma” e vive concedendo “bolsas de estudo” àqueles que se expressam de modo empolado. Já Eremildo, o idiota, é uma sátira aos que usam indevidamente o dinheiro público.
      Dono de consagrada carreira no mundo jornalístico, publicou uma série de quatro livros sobre a ditadura militar brasileira, dividida em duas partes, as Ilusões Armadas e O Sacerdote e o Feiticeiro. Importante documento deste período histórico do Brasil, Gaspari havia em 1984 iniciado suas pesquisas a partir de uma bolsa de estudos no Wilson Center for International Scholars, cuja temática seria centrada nas principais figuras do período ditatorial: os generais Ernesto Geisel e Golbery do Couto e Silva. Embasado em documentos pessoais de ambos, a obra deslinda os bastidores do regime militar que por duas décadas mergulhou o Brasil no regime de exceção.
      Livros publicados[editar]

      LISTA PARDCIAL

      A Ditadura Envergonhada, volume 1. Coleção As Ilusões Armadas, São Paulo: Companhia das Letras, 2002. ISBN 8535902775

      A Ditadura Escancarada, volume 2. Coleção As Ilusões Armadas, São Paulo: Companhia das Letras, 2002. ISBN 8535902996

      A Ditadura Derrotada, volume 3. Coleção O Sacerdote e o Feiticeiro, São Paulo: Companhia das Letras, 2003. ISBN 853590428X

      A Ditadura Encurralada, volume 4. Coleção O Sacerdote e o Feiticeiro, São Paulo: Companhia das Letras, 2004. ISBN 853590509X

      Versões e Ficções: o seqüestro da história (em parceria com REIS FILHO, Daniel). São Paulo: Ed. Perseu Abramo, 1997. ISBN 8586469033

      70/80 – Cultura em trânsito: da repressão à abertura (em parceria com BUARQUE DE HOLLANDA, Heloísa] e VENTURA, Zuenir). São Paulo: Editora: Aeroplano, 2000. ISBN 8586579114

      E VOCE QUEM É????????????????

      • O Fernando sabemos quem é…Um baba ovo do Élio Gaspari… Se duvidar deve gastar seu dinheiro comprando a revista VEJA.
        Resumindo a história, Élio Gaspari é um jornalista da direita, integrante do PIG e empregado dos barões da mídia… Com a crise no império dos barões, é um candidato a blogueiro, porque logo vão espirrar com todas essas estrelinhas que custam os olhos da cara… Daí terá que ser mais humilde para que o povo o leia, pois o povo é bastante gente e a elite só um pouquinho…

      • NOOOOOOOOOOOSSSSSSSAAAAA… Chupa essa, Henrique.