Indústria da multa continua em Curitiba e busca aumento de arrecadação na gestão Fruet

Em janeiro de 2013, o discurso de Joel Krà¼ger, secretário do Trânsito, era de que a gestão de Gustavo Fruet iria acabar com a indústria da multa na capital paranaense: Só mesmo em casos extremos!, prometia; entretanto, a máfia do radar parece que terá vida longa em Curitiba e a prefeitura busca mecanismos aprimorar e ampliar a arrecadação; por que não se cria o serviço de monitoramento estatal, por quê?

Em janeiro de 2013, o discurso de Joel Krà¼ger, secretário do Trânsito, era de que a gestão de Gustavo Fruet iria acabar com a indústria da multa na capital paranaense: Só mesmo em casos extremos!, prometia; entretanto, a máfia do radar parece que terá vida longa em Curitiba e a prefeitura busca mecanismos aprimorar e ampliar a arrecadação; por que não se cria o serviço de monitoramento estatal, por quê?

No início de 2013, o secretário de Municipal de Trânsito, Joel krà¼ger, que também é presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea), prometeu (reveja o vídeo), segundo ele, por determinação do prefeito Gustavo Fruet (PDT), acabar com a indústria da multa em Curitiba.

Quase seis meses depois, a indústria da multa não só continuou como busca maneiras de aprimorar a arrecadação para os cofres do município. Além disso, a Consilux, a empresa licitada flagrada em reportagem da TV Globo fraudando radares, continua faturando alto e multando os motoristas curitibanos como se nada tivesse acontecido.

Em 2011, a prefeitura da capital havia rompido contrato com a Consilux devido as denúncias veiculadas no programa Fantástico. De lá para cá, em caráter emergencial, mantido por Fruet, a empresa já abocanhou R$ 17 milhões.

Em reportagem de Rafael Wlatrick, no jornal Gazeta do Povo, edição desta quinta-feira (6), fala-se em pressão pelo cancelamento de licitação vencida pelo consórcio Iessa-Indra-Velsis, mas que se encontra em litígio.

Ano passado, ainda de acordo com a reportagem da Gazeta, os equipamentos foram responsáveis por 28% das multas emitidas em Curitiba, alavancando a arrecadação total com as infrações, que chegou a R$ 37,9 milhões. No mesmo período, R$ 8,1 milhão foram gastos para indenizar! a Consilux.

à‰ evidente que o setor de radares é operado por máfias. Não há nada sério nessas empresas. Também não se pode dizer sério de quem queira perpetuar o esquema no município.

Portanto, esse blogueiro defende que o sistema de multas [a exemplo da ideia original do secretário Krà¼ger] deve ser educativo, não punitivo. Também opina pela criação do serviço estatal, municipal, sem a picaretagem privada.

Embora o discurso do secretário da Setran e presidente do Crea, no início deste ano, fosse para que os agentes orientassem os motoristas, ao invés de multar, não é isso que se vê nas ruas. Há coisa de duas semanas fui à  Feira de Imóveis da Caixa, no Morumbi Expo Center, Vila Guaíra, e seus funcionários estavam aplicando multas sem dó nem piedade. Nada de orientação.

Ou seja, ou os agentes não respeitam o chefe ou chefe contou uma tremenda de uma lorota para este blogueiro.

Assista ao vídeo e relembre o que disse o secretário Joel Krà¼ger:

42 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Votaram no fruta, agora aguentem…
    Mas cá entre nós, só é multado quem desrespeita os limites do transito, que sao bem claros (Duvidas? consulte o CTB), entao nao condiz em falar em uma “industria das multas” , para nao ser multado basta seguir as regras do jogo (no caso, o transito)

  2. Caro Roberto

    Posso explicar sim! Me diga a hora e o lugar que não só vou explicar, mas documentalmente provar toda mentira que foi pregada na população incauta, um verdadeiro estelionato público. Além do mais você está mal informado, pois já está inflacionando a mentira de 180 pontos para 600!!!
    Você deve ser ingênuo por não compreender o que foi feito comigo em período pré-eleitoral, e que não compensaria tentar explicar naquele momento. Eu fui ingênuo. Como você não acompanhou as explicações que já foram dadas, pois elas nunca vêm na mesma proporção, fico à disposição para tal. Esmael, o dia que você quiser fazer uma matéria sobre isso fica à vontade, pois você e seus leitores verão o quanto foram enganados.

  3. Quando fico aqui a ver estes comentarios , fico as vezes rindo e muitas vezes com raiva do ridiculo que é certos comentários, mas a democracia esta ai pra isso.
    Na verdade não são fabrica de multas e sim meios de arrecadar dinheiro não para educar no trânsito ,mas para encher os bolsos de empresários do ramo de sinalização, tem gente ai claro tem que se defender mesmo, que esqueçe como entrou no transito prestando seus serviços , eu sei.

  4. RADARES E MULTA COISA DE LADRÃO
    Como as pessoas são bobas, e aceita facilmente tudo o que o poder público com suas malandragens e interesses obscuro, impõe sobre a população, colocar lombadas nas ruas ninguém fala mais, isso não dá dinheiro, dá vontade de vomitar quando alguém fica defendendo multa, multa e a coisa mais imoral que tem, vai o dinheiro para a mão de vagabundo, que não presta conta de nada são milhões arrecadado, com relação ao Gustavo Fruet sem comentário.

  5. Quando eu falei que 2min26seg podem ser bem aproveitados chupando uma manga depois do almoço tinha todo fundamento, pois teria impedido que palavras que não encontram respaldo, pois a boca fica ocupada não deixando escapar o doce sumo da fruta.

  6. RADARES SÃO NECESSÁRIOS PARA PUNIR O MAUS MOTORISTAS, SEM A MINIMA EDUCAÇÃO PARA ESTAREM COM UM VEICULO NAS SUAS MÃOS.MAS EM CURITIBA, EXISTEM RADARES EM LOCAIS QUE NUNCA TIVERAM OCORRENCIAS DE ACIDENTES,E MAIS, PORQUE QUE SOMEM OS AGENTES DA SETRAN, PRINCIPALMENTE NOS FINAIS DE TARDE EM QUE O TRANSITO TRAVA NOSSA CIDADE, PARA ORIENTAR, EDUCAR OS MOTORISTAS.QUEM QUE VÊ NOS BAIRROS, AÇÕES DA SETRAN. PASSAM QUAL UM FOGUETE SÓ PARA CUMPRIR ROTINA.

    • Se você fosse realmente um legitimo observador, iria concluir que o número de agentes em Curitiba é insuficiente para atender o transito em toda a cidade, o radar hoje com a sinalização que informa sua localização, só multa o motorista desatento e contumaz infrator, orientar motoristas a não avançar o sinal, usar cinto de segurança e não falar ao celular é ridículo, você precisaria ter um agente de transito dentro de cada veículo, para quando o motorista pensar em cometer tal infração já ser orientado de imediato, pois nunca teremos fiscais em todos os lugares.
      Em vez de divulgar a industria da multa, combata-a obedecendo a sinalização e as leis de convivência ou de transito como preferir, as leis de transito foram criadas para segurança e fluidez nas vias, para todos aqueles que precisam, e não para apenas um pequeno grupo que se acha dono da rua. Pense nisso!

  7. A matéria-prima dessa indústria e o motorista de merda, aquele que fala ao celular, bebe, fura sinal, etc.., há milhares em Curitiba !!!

  8. A industria da multa esta ligado a pessoas da gestão do ICI, quando aos radares acho prudente, mas desde que seja justo e não deixe você ficar parado em semáforos , onde nao exista segurança alguma eu mesmo já fui abordado varias vazes e assaltado é absurdo. Sem radares nas faixas enquanto , não houver segurança publica, que aliás é outra lástima, cade vez pior em nossa cidade

  9. A multa é um meio de conter os infrações, bêbados, alcoolatras e assassinos do volante, pessoas que estacionam em qquer lugar, cruzam faixas de pedestres, andam sem o cinto de segurança, crianças no colo, velocidades incompátiveis e muito mais, acho que deve continuar o sistema de multa e o dinheiro 110 porcento aplicador no próprio sistema. Idiotas e assassinos do volante respeitem o trânsito.

    • E o pior é que não é… quem detém um bebado ao volante é a policia… ou aquele radar deteve o Carli filho e o outro do racha???

    • E quem fuma maconha e fica doidão e sai dirigindo por aí..E quem cheira cocaína, perde o medo e sai barbereando por aí. E quem usa ecstazy e outras drogas sintetizadas ou naturais com efeitos estimulantes e alucinógenos; e saí dirigindo por aí? Esses o bafômetro não pega…E eles podem matar, como os bêbados…

      Ser tão duro com uns e não fazer nada contra os burguesinhos chapados. Uns são pobres e outros ricos….Assim uns tem menos direitos e outros tem todos os direitos que desejarem…

  10. Isso é igual a extinta CPMF, o PT sempre criticou mais tentou manter com unhas e dentes…. Só mesmo os troxas pra acreditar que o cara iria renunciar a esta bela receita….. E pior ele não pode se dar ao luxo de acabar com a “industria da multa”, pois as cidades estão quebradas pelo mal uso do dinheiro publico por parte do governo federal que esta moendo muita grana pra fazer esta COPA ridícula que ai esta…. Tomara Deus que a final seja ARGENTINA x ALEMANHA….

  11. O Fruet será prefeito de um mandato só…Não tem pulso para comandar a prefeitura, além de pouco confiável e vacilão nas relações políticas é literalmente mandado por elas…Diz o ditado popular que em casa que mulher manda o galo canta fino….

  12. Esta gestão da Prefeitura é uma tremenda lorota …

  13. Fruet eh um bom sujeito, mas não entende nada de administração. Quanto as multas tem que multar mesmo. Quem dirige sabe os abusos que se vê diariamente nas ruas. Cadê os viadutos da Linha Verde?

  14. Com relação à Fiscalização Eletrônica, para os técnicos da área de trânsito, ela é e sempre será, cada vez mais, aliada da gestão do trânsito das cidades, seja aqui no Brasil ou no exterior. A diferença de que aqui, o infrator contumaz a chama de “indústria da multa” e no exterior, o infrator paga (na hora) e não “bufa” porque sabe que está errado…Mera questão de educação, cidadania e inteligência!!!
    Sim, o radar faz às vezes de um Agente de Trânsito de maneira muito mais eficiente, pois não se engana. Não treme a mão ao segurar uma pistola a laser, para medir a velocidade de um veículo e nem troca o amarelo pelo vermelho, para autuar um avanço de sinal…e ainda, não se “vinga” de um pretenso inimigo…o radar é uma máquina, o Agente é um ser humano…e o bom e competente Agente, sabe que o radar é um aliado pois com a falta de contingente dos órgãos de trânsito, muito melhor usar a máquina para fiscalizar o apenas fiscalizável e deixar o “elemento” para ações educativas e operações de trânsito, como desvios, eventos, obras, etc…
    Engenharia, Educação e Esforço Legal de Trânsito, é especialidade para poucos profissionais competentes e com bagagem suficiente para dar aula…ensinar o que deve e pode ser feito, com respaldo técnico.
    Quanto a minha carreira, como profissional engenheira da URBS, não atuo mais, diretamente, na área de trânsito. Quando foi criada a SETRAN preferi ficar na URBS, onde prestei concurso em 1998. No ano de 2011 passei a trabalhar como assessora técnica e a desenvolver estudos na área do transporte público, que tem o viés do trânsito.
    O PCCS-Plano de Cargos e Carreiras da URBS prevê uma série de benefícios aos funcionários que, simultaneamente, são bem avaliados por seus superiores e que fazem cursos extras, para crescimentos horizontais e verticais, aos quais me enquadrei e por mérito, tive direito, como qualquer outro bom funcionário da empresa os teve.
    Portanto, o “crescimeno vertical” em que recentemente me enquadrei, nada mais é do que o reconhecimento pela dedicação ao trabalho, de acordo com o estabelecido e previsto no PCCS da empresa, assim como outros tantos funcionários o tiveram.

    Espero ter esclarecido ao leitores deste Blog e em especial ao senhor Marcelo Santana, que insistentemente tem procurado denegrir a minha imagem ao invés de procurar se procupar com a sua própria imagem e carreira.

    Eng. Rosangela Battistella
    Assessora Técnica da URBS
    Diretora Regional da ANTP/PR

    • Rosangela Battistella você que tem contato direto com o prefeito, diga para ele encher nossa cidade de viadutos e sincronizar os semáforos. É um sofrimento levar 1 hora e 20 minutos para fazer um simples trajeto que normalmente pode se feito em 15 minutos.
      Diga pra ele que quando ficamos preso no trânsito, a primeira pessoa que penasamo mal é o prefeito da cidade, pois achamos que ele não se importa com a gente e está no bem bom do seu gabinete enquanto sofremos.

      Tenho certeza que um dos maiores motivo que levaram o povo de Curitiba à rejeitar o Ducci, foi o trânsito da cidade, seguido pela saúde.

  15. A gestão do traste do Ducci foi muito ruim, e a do Fruet é mediocre e com gente mediocre.

  16. O Fruet fez uma ondinha e após acordo se associou aos “derrotados(PSDB)”. O povo foi novamente enganado. Só isso. Quer mudança? Vote em quem nunca fez parte desse esquema, mas nem mesmo isso é garantia.

  17. Esmael !!!!
    Vc é o cara.
    Levantou a lebre da FARRA do contrato das agencia de publicidade da prefeitura de Curitiba.
    Que até a turma do PSdB saio em defesa das agencia contratadas!!!
    Que atualmente atende o Governo do estado e teve seu contratos renovados na gestão Frueit!
    Juntou gregos e troianos!
    Até o Blogeiro oficial do Beto Richa!!!! Critico ferrenho do PT !! Postou em seu blog que tem uma licitação pronta na mesa do secretario tucano de comunicação de curitiba – http://www.fabiocampana.com.br/2013/06/fruet-licita-propaganda/

    Pode parar!!!

    Agora tem licitação prontinha, 10 dias atras o contrato não poderia ser cancelado!!

    Nem sempre gosto do que vc escreve.
    Mas dessa vez meus parabéns.

  18. Concordo com o Roberto N.. orientar? tem mais que multar os INFRATORES da Lei.

  19. E você acreditou Esmael? Ora pois, agora você caiu na real que não dá prá acreditar em lorotas que esse secretário presidente do CREA fala.
    Até porque na Setran não é ele que manda e sim uma tal senhora que já foi o furor do DETRAN do Paraná e que não entende nada de trânsito. Uma lástima.

  20. Podiam pelo menos sincronizar os semáforos de Curitiba de forma a que você possa manter os 60 km/h e possa achar o próximo aberto, hoje em muitos trechos você tem que sentar o pé pra não ficar parando demais…Ex. Alameda Júlia da Costa, Cel Dulcídio, Gastão Câmara…Semáforo é o cartão de visita da cidade…Quando a administração pública não consegue nem sincronizar um semáforo, que é algo simples de fazer, é que o resto está um caos…
    O Ducci perdeu as eleições nos semáforos, cada vez que as pessoas ficam paradas no trânsito, a primeira pessoa que culpam é o prefeito…
    Gustavo seja um sujeito de coragem e encha nossa cidade de viadutos…

    • Hã Hã, e as vias transversais não precisam de sincronização? para quem dar prioridade, para x ou para y? para ônibus ou carro? para o Sr. ou seu vizinho? Não se preocupe que existem engenheiros tentando achar a melhor equação dia e noite.

  21. INDÚSTRIA DA MULTA EM CURITIBA
    Em Curitiba o título desse artigo voltou ao cenário, pois no início do ano (em 30/01/2013 – https://www.esmaelmorais.com.br/2013/01/secretario-do-transito-decreta-o-fim-da-industria-da-multa-em-curitiba-veja-o-video/) e já sob nova gestão municipal o atual Secretário de Trânsito havia “˜decretado”™ o fim da “˜indústria de multas”™. A declaração caiu mal em todo o país perante aqueles que operam para melhorar o trânsito, inclusive nas Câmaras Temáticas do Denatran. Perante os agentes de trânsito causou grande desconforto que precisou ser habilmente contornado, pois declarações como essa desqualificam seu trabalho e criam conflitos entre os agentes e a população. Como nada aconteceu, o assunto caiu no esquecimento, até que no último dia 13 de maio voltou à baila (https://www.esmaelmorais.com.br/2013/05/vem-ai-novo-modelo-de-multa-eletronica-em-curitiba/).
    Para se extinguir algo é necessário que ele exista. Para existir é preciso que seja palpável, concreto ou passível de definição, portanto a primeira coisa é definir claramente o que se entende por indústria da multa e apontar objetivamente onde e como ela ocorre, senão é mera jogada pra torcida. Popularmente, ao grito da torcida, seria fazer armadilhas, apanhar o condutor desprevenido no cometimento de infração, “˜pescar com rede”™. Sob essa ótica o tal “˜decreto”™ sepultaria com pá de cal as blitz da Lei Seca que estão sendo organizadas na cidade em conjunto com o Batalhão de Trânsito, que ainda terão a características de serem itinerantes justamente para evitar o aviso por redes sociais, pois elas contam exatamente com o fator surpresa. Se a população não acusa essa iniciativa de indústria de multa, incoerente seria fazê-lo com um dispositivo eletrônico fixo, em caráter permanente, fartamente sinalizado mesmo sem exigência da legislação.
    Recentemente declarou o mesmo Secretário que o efetivo humano de agentes (pouco mais de 350) estaria muito aquém do ideal, representando ¼ disso, o que fatalmente implicaria em mais autuações, pois basta uma verificação simples para se concluir que o número de autuações é infinitamente menor que as infrações que ocorrem. Então a solução não seria aumentar, mas sim diminuir o número de agentes, ou deixá-los numa função unicamente orientadora, sem autuar. Isso foi experimentado por Curitiba entre setembro/2011 e janeiro/2012 quando a Diretran que antecedeu a Setran foi extinta em decorrência de ação judicial e serviu de um grande laboratório para provar que num primeiro momento há uma sensação de liberdade, porém em pouco tempo a sociedade percebe que é necessário o poder de autuar para manter a ordem. Afinal, todos querem parar “˜um minutinho”™ na guia rebaixada do outro, mas ninguém aceita que o outro para um minutinho na frente do seu portão quando precisa entrar ou sair.
    Outra vinculação popularesca, ao grito da torcida, é que o objetivo é arrecadar, que os agentes possuem cotas a serem atingidas, entre outras falácias. Ora, o salário percebido pelo agente não se altera pelo volume da autuações que realiza, portanto sem qualquer procedência essa ilação. A lei diz claramente no Art. 280 que ocorrendo infração será lavrada autuação, portanto deixar de fazer isso é prevaricar. Poder-se-ia aventar a hipótese de desvios de conduta, daquele agente que autua seu desafeto por algo que não praticou, ou ainda erros crassos como falta de cinto em moto ou capacete em automóvel, mas são exceções que merecem a devida apuração e correção, mas de longe não representam a regra. Gostaríamos de sugerir e convidar para um debate franco sobre esse tema, até para melhor esclarecimento da população. (http://blogdotarso.com/2013/05/13/ex-secretario-de-transito-desafia-o-atual-para-debate-sobre-a-industria-da-multa-em-curitiba/)
    MARCELO JOSÉ ARAÚJO ““ Advogado e Consultor de Trânsito. Professor de Direito de Trânsito e Presidente da Comissão de Trânsito, Transporte e Mobilidade da OAB/PR, Ex-Secretário de Trânsito de Curitiba.

    • Como consultor de transito o Sr. poderia me dizer como assumiu uma secretaria de transito tendo mais de 600 pontos na sua carteira de habilitação?

      • Sr. O Marcelo era o cara certo no lugar certo, só saiu por questões da droga da política, é o cara que mais entende de trânsito no Brasil, se fosse do meio saberia do que estou falando, mas como não é, fique só observando e levando multas.

  22. Caro Esmael

    Já propus um debate franco sobre o que o Secretário/Presidente entende por ‘Indústria de Multas’ e qual teria sido a idéia dele ao ‘Decretar’ seu fim. Ainda aguardo ansioso a resposta. Sua idéia de ‘aquisição’ dos equipamentos corrobora com a licitação ainda imperrada, que foi um ‘registro de preços’ para que os equipamentos sejam adquiridos pelo Município. Não há outro meio de aplicar o art. 218 do CTB senão através de ‘equipamentos hábeis’, pois é literalmente o texto legal. Nessa semana, depois de quase dois anos, Flórianópolis retomou a fiscalização eletrônica devido a embates judiciais. Houve aumento considerável nos acidentes e sua gravidade, portanto é uma tecnologia que deve ser bem usada. Em 2005 foi editada a Lei Municipal 11488, pelo Prefeito Beto Richa, estabelecendo que tais equipamentos deveriam ser devidamente sinalizados. O PL era de Ney Leprevost e o Vereador Paulo Salamuni, hoje presidente da casa legislativa, defendia a lei para que não houvesse ‘indústria de multas’. Vê-se que o debate não é recente.

    • Como consultor de transito o Sr. poderia me dizer como assumiu uma secretaria de transito tendo mais de 600 pontos na sua carteira de habilitação?

      • Sr. O Marcelo é o cara que mais entende de trânsito no Brasil, se fosse do meio saberia do que estou falando, mas como não é, fique só observando e levando multas.

  23. A história se repete na publicidade!!!

  24. Resumo da Ópera…. NÃo mudou NADA. O Fruet é só enganação !!!!!

  25. a setran tá uma bagunça generalizada os agentes não tem a certeza de ficar na setran pois são funcionários da urbs cedidos e o MP ainda não se pronunciou sobre a situação. além disso tem agente sendo agredido e levando bomba na rua e ficando surdo em consequência das declarações desastrosas do secretário e falta de pessoal. falta agentes e mesmo faltando agentes foi criado um grupo especial de escolta e eventos pra copa de 2014 chamado GOE (grupo de operações especiais) tirando agentes da rua para ficarem pilotando moto e carro em simulações e treinamento desnecessáio ,já não tem agentes e ainda tira agentes para trabalho desnecessários , na copa terá exército, bptran guarda municipal para dar apio logístico quanto a máfia dos radares o fruet deveria acabar de vez e implantar radares com a maior transparência possível das multas e dos valores arrecadados e aonde serão aplicados. e por último a rosangela maria battistella ex diretora da diretran teve aumento de salário de aproximadamente de 20%, ela conseguiu progressão vertical como prêmio de tudo de errado que ela fez.

  26. Agentes de trânsito como educadores? Ah tá bom, vamos todos morar na Suécia. O agente de trânsito se borra de medo de abordar um burguês, no seu belo carro importado, e ouvir: sabe com quem está falando? Sou amigo do Secretário fulano de tal. Pronto, quem É “EDUCADO” É O AGENTE, NÃO O INFRATOR!!! Os motoristas não tem o menor respeito pela legislação e pela sinalização das vias. Rodovia é pista de corrida e o limite de 110 km/h uma quimera. Então, a solução são mais radares, mais multas, mais controle e vamos deixar de idealismos ingênuos sobre “educação”.

  27. Só muda o general mas a guerra continua, falou falou mas é igual ou pior.

  28. UÉ NÃO FALAram que ia acabar