Maconha, cotas raciais, homossexualismo e aborto marcaram debate em Cascavel

por Laís Laíny, via Jornal Hoje

Lemos e Edgar debateram ontem na TV Tarobá (afiliada da TV Bandeirantes).

Frente a frente pela penúltima vez antes da eleição, neste domingo, os candidatos a prefeito de Cascavel, Edgar Bueno (PDT) e Professor Lemos (PT), foram testados sobre temas polêmicos à  sociedade. Drogas, aborto, cotas raciais e até a inserção de conteúdos sobre gêneros e diversidade sexual apimentaram o debate promovido ontem à  noite pela TV Tarobá.

Os dois candidatos tiveram posicionamentos opostos quanto aos tabus e a repercussão foi imediata nas redes sociais.

Edgar Bueno foi o primeiro a responder. Sobre o aborto e a descriminalização do uso da maconha, o atual prefeito se disse favorável aos dois temas.

Sou a favor do aborto e à  descriminalização da maconha!.

No primeiro momento, afirmou que quem usa drogas é uma vítima e que o crime deve ser atribuído a quem a comercializa. Não se pode punir os usuários!.

Minutos depois, os internautas se manifestaram ironizando que o atual prefeito seria a favor do uso de drogas. No bloco seguinte, ele retomou o assunto e explicou em quais situações é favor do aborto e reforçou seu entendimento sobre as drogas.

Temos que descriminalizar a dependência química e o aborto somente para mulheres que correm risco de vida. à‰ uma coisa que precisa ser bem estudada!, disse Edgar.

Já o Professor Lemos teve uma resposta diferente.

Não defendo aborto, sou a favor da vida. Quanto à s drogas, precisamos combater a droga, não temos que ficar distribuindo para nossas crianças!.

Outro tema de grande discussão é a reserva de cotas para negros nas universidades. Os postulantes também se manifestaram com opiniões contrárias. Edgar disse ser contra e Lemos, a favor.

Sou contra cota para negros. Isso é um Apartheid e uma forma de segregar ainda mais!, respondeu o candidato à  reeleição.

Sou a favor porque temos uma dívida com a população negra. O Brasil foi o país que mais explorou os negros mesmo depois da abolição da escravatura!.

DIVERSIDADE

O terceiro tabu abordado no debate foi sobre a inclusão de assuntos ligados à  diversidade e à  orientação sexual no currículo escolar. Edgar se disse contrário.

As crianças não estão preparadas para tratar desse assunto. Cada um tem no seu tempo a oportunidade de respeitar a opção sexual!.

Já Lemos entende que seja necessário preparar os professores para lidar com a questão.

Defendo que os professores recebam a formação adequada para que estejam preparados, respeitando a idade e o gênero!.

ATAQUES

A quantidade de ataques entre os candidatos foi menor em relação aosdebates anteriores, mas não deixaram de ocorrer. Edgar Bueno, a cada oportunidade, relembrava acusações de que Professor Lemos (PT) não mora em Cascavel e também citou o julgamento do mensalão.

O candidato petista, por sua vez, frisou que Edgar já teve oportunidade de cumprir suas promessas, mas não o fez. Ele também citou denúncias de corrupção e até relembrou o caso da mãe que foi impedida de assumir o cargo de professora pois tinha dado à  luz meses antes de ser convocada em concurso público.

Houve apenas um pedido de direito de resposta feito pela coligação de Edgar Bueno, o qual foi indeferido pela Comissão Eleitoral da OAB.

10 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. I just want to tell you that I am just new to blogs and definitely enjoyed your web-site. Likely I’m likely to bookmark your blog post . You amazingly have very good writings. Thanks a lot for sharing your web page.

  2. Queria saber qual a dificuldade em utilizar os termos HOMOSSEXUALIDADE e ORIENTAÇÃO sexual

  3. Querido Lemos,

    Esse tipo de dívida social não se paga com tapinha nas costas, essa dívida se paga com igualdade. Educação igual, condições de vida iguais. Cotas são emendas piores que soneto. Os governantes deveriam resolver o mau pela raiz, provendo educação de qualidade, informação e cultura que agreguem valor para comunidades carentes.

    Sobre a questão da maconha acho um tema complexo, mas sou favorável da visão de que dependentes de drogas estão mais para pacientes, que necessitam de tratamento, do que para bandidos, mesmo eles “financiando o crime”.
    Eis que entra a criminalização da droga. Criminalizar a maconha significa não apenas vetar a natureza da planta, mas também instaurar uma guerra, gastando com com esse recurso que não tem sido efetivo.
    Descriminalizar significa regulamentar normas e padrões para a entrada da droga no país. Já é assim com os remédios. E se não é mais crime comercializar a maconha (que é uma das drogas recreativas mais consumidas no mundo), o usuário comprará como um produto, de fontes legalizada, gerando impostos para o governo. A descriminalização pode ser o primeiro passo para uma grande mudança. Podemos enfraquecer o crime organizado substancialmente afastando seus “clientes” e os aproximando de tratamentos contra dependência. Esse é um modelo já aplicado efetivamente em outros países do mundo. Recomendo assistir: “Quebrando o TABU”

  4. TENTATIVA DE FRAUDE ELEITORAL EM CASCAVEL – PR
    No debate de ontem, ao responder, Edgar Bueno disse:
    “quanto à descriminalização, sou a favor do aborto e da maconha”.
    O outro candidato, o tal professor Lemos, do PT, edita o debate e mostra em seu programa que Edgar, atual prefeito, do PDT, base de apoio a Dilma, “é a favor do aborto e da maconha”
    Puta que o pariu!!!
    Isso é a mais absurda SACANAGEM eleitoral, principalmente em sendo dirigida às classes menos favorecidas e mais “religiosas”.
    Isso, eu chamo de FRAUDE ELEITORAL a qualquer custo.
    Parem com isso!
    Percam a eleição de cabeça erguida!

  5. Vcs pegaram jornal errado pra dar noticia Jornal Hoje e publico notorio que apoia candidato Lemos, em nenhum momento no debate Edgar falou que e a favor do aborto.Assistam o debate ele foi 1 a comentar sobre esta pergunta suas primeiras palavras foram todos ja sabem que ele e contra aborto.Sinto informar ao blogueiro que usou artigo tendecioso.Cidadao Cascavelense.

  6. DEPUTADO ADELINO RIBEIRO QUE ESTÁ NA CAMPANHA DE EDGAR BUENO – “NÃO COMUNGO COM A IDEIA DE PANFLETO APÓCRIFO. NÃO É POR AÍ QUE SE GANHA ELEIÇÃO”

    http://youtu.be/1r5Iywptwhc

  7. Uma correção. A nomenclatura foi mudada, não se diz mais homossexualismo, pois tal fato não é considerado doença. Diz-se homossexualidade no sentido de ser.

  8. E a APP/Sindicato e todos os educadores do Paraná correrão o risco de ficar sem representante da categoria na Assembléia Legislativa do Paraná. Será preciso esperar por mais dois anos, caso o Deputado dos Educadores Prof. Lemos seja eleito Prefeito de Cascavel. Neste ritmo teremos que pensar bem quem elegemos para representar a categoria de EDUCADORES.

  9. Me causa estranheza temas como abroto, homossexualismo e liberação de drogas estar fazendo parte, nesse ano eleitoral, dos debates dos candidatos ao executivo das grandes cidades.

    Embora os assuntos listados sejam de grande interesse da população, o chefe do executivo não poderá fazer nada, pois não é legislador e sim executor.

    Nenhuma cidade brasileira poderá “liberar” drogas em sua cidade. Nenhum prefeito poderá impor uma lei ant-homofóbica e pró-homofóbica em sua cidade. Reservas de vagas, ainda que já tenha sido estabelecio como lei, nenhum órgão público é obrigado de fato a incluir ou não o sistema num concurso público.

    Ou seja: pra que raios discutir esses assuntos no debate de candidatos a prefeito??

  10. ESTES TEMAS QUE A ESQUERDA BURRA QUER IMPOR NO DEBATE NÃO SÃO URGENTES, SÃO APENAS IDEOLÓGICOS.

    É PURA MASTURBAÇÃO INTELECTUAL DE ACADÊMICOS ESQUERDISTAS DESOCUPADOS.