CPI na Assembleia vai investigar pesquisas do Ibope no Paraná

Deputados acham que investigação dos institutos vai desviar foco da Máfia do Pedágio!

Deputado Reni e governador Richa, desviando dos pedágios do PR.

Os derrotados nas urnas terão mais uma chance para se justificarem aos seus eleitores, pois a Assembleia Legislativa do Paraná vai instalar uma CPI para investigar os institutos de pesquisas no estado. A já apelidada de CPI do Ibope! conta com apoio de 23 deputados, cinco a mais do necessário (18 parlamentares ou um terço) para abrir uma comissão de investigação na Casa.

O que o Ibope cometeu em algumas cidades foi um crime eleitoral. Não podemos aceitar e permitir que isso se repita!, afirmou o autor do requerimento, deputado Reni Pereira (PSB), eleito prefeito de Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, com o apoio do governador Beto Richa (PSDB). Nas vésperas das eleições municipais, o Ibope deixava Reni 10 pontos atrás de Chico Brasileiro (PCdoB).

Em Curitiba, no primeiro turno, as pesquisas dos grandes institutos do país diziam que Gustavo Fruet (PDT) ficaria de fora do segundo turno. Erraram feio. Quem acabou excluído da segunda etapa eleitoral foi o candidato do governador, o prefeito Luciano Ducci (PSB).

Para entender como funcionam as empresas de aferição da opinião pública, o senador Roberto Requião (PMDB), ex-governador do Paraná por três vezes, produziu uma máxima em 2002: “Se eu quero comprar peixe, eu vou à  peixaria; se eu quero comprar pesquisa, eu vou ao Ibope!.

Será que Requião tem razão?

Cortina de fumaça para esconder a “Máfia do Pedágio”

Deputados ouvidos pelo blog, que pediram para não ser identificados, acreditam que a CPI do Ibope! tem como objetivo criar uma cortina de fumaça para ofuscar outra CPI mais importante: a dos pedágios.

Nesta semana, o deputado estadual Cleiton Kielse (PEN) lançou uma bomba na Assembleia Legislativa do Paraná, ao denunciar quatro colegas como sendo integrantes da Máfia do Pedágio!. A maioria dos acusados faz parte da cúpula dirigente da Casa e nega as denúncias.

O autor da CPI dos Pedágios!, deputado Nelson Luersen (PDT), disse ao blog que espera coletar as 18 assinaturas necessárias até a próxima terça-feira (23). No começo da noite de ontem, o parlamentar contabilizava 15 apoios.

O presidente reeleito da Assembleia, Valdir Rossoni (PSDB), acusado por Kielse de facilitar a vida das pedagiadoras, avisou ontem que assina o requerimento da CPI. O deputado Ney Leprevost (PSD), apontado pelo colega Kielse se participar do esquema do pedágio e de receber R$ 1 milhão para sua campanha, também adiantou que assinará o pedido de criação da CPI do Pedágio.

O líder do governo na Assembleia, Ademar Traiano (PSDB), igualmente denunciado como sendo amigo das concessionárias, informou que não assina CPI do Pedágio nem que a vaca tussa arroz doce.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. NENHUM DEPUTADO FALA EM PEDÁGIO, LOGO MAIS TEREMOS ELEIÇOES E JÁ ESTÃO COMEÇANDO REQUENTAR O ASSUNTO. O PROPRIO QUIELSE (PMDB) A EXEMPLO DO REQUIÃO, SEMPRE COM O MESMO LOLOLÓLÓÓÓÓ´´OÓ´´O´´O

  2. O que Reni quer é ajudar a esconder outros problemas maiores. A questão de Foz já está resolvida. Ele, Reni, já está eleito e nada muda o resultado. A turma do 40 empregou bem o dinheiro farto nas periferias de Foz.

  3. E precisa de CPI para isso? não é do interesse do estado e não muda o resultado das eleições. Total cortina de fumaça pois sabem que uma CPI do pedágio se for levada a sério vai respingar forte no desgovernador e jogar areia nos planos dele de ser a salvação do quase-extinto PSDB.

  4. Na verdade quem vai dizer quem é culpado ou não na máfia dos pedágios é a Policia Federal, porque se depender da assembléia haverá muita proteção e conivência sobre as investigações.

  5. De CPI em CPI não se chega a nada.
    Com relação ao caso IBOPE, isso é balela e mesmo sendo pesquisa, ela a pesquisa, não garante o voto.
    PEDÁGIOS, lamentavelmente uma casa de leis suspeita como esta a ALEP não tem condições de conduzir com respeito e dignidade nenhuma linha de investigação decente. É bem capaz dos atos desta CPI serem publicados em mais uma série de “diários secretos”.
    NEY, recebeu, segundo ele, 500 mil de pessoas ligadas ao pedágio, embora toda dignidade apresentada, convenhamos que ninguem contribui com meio milhão sem pedir (exigir) nada em troca.