Quem disse que Bruno Meirinho do PSOL é ateu?

Bruno Meirinho e sua vice, Sueli Fernandes, estiveram com D. Moacyr Vitti no debate da Cúria Metropolitana. Foto: reprodução Facebook.

Bruno Meirinho (PSOL), candidato a prefeito pela Frente de Esquerda, participou ontem de apresentação de propostas promovida pela Arquidiocese de Curitiba. O evento contou com a participação de sete dos oito candidatos a prefeito. A Cúria Metropolitana recebeu cerca de 150 pessoas, entre elas o arcebispo Dom Moacyr José Vitti. Bruno estava acompanhado da candidata a vice-prefeita, Sueli Fernandes.

Entre vários temas, Bruno Meirinho falou sobre políticas públicas para saúde, educação, moradia, juventude, acessibilidade e mulheres. Sobre a defesa da vida, lembrou a terrível desigualdade de Curitiba !“ considerada, pela ONU, a 17!ª cidade mais desigual do mundo !“ como um obstáculo objetivo ao direito à  vida.

Bruno lembrou uma breve história. Quando fazia trabalho voluntário na Vila Torres, Bruno conheceu uma família de carrinheiros. Um dos filhos chorava sem parar. Perguntado por que, o pai respondeu que ele chorava porque estava em férias. A resposta era chocante, porque em geral as férias constituem uma época de alegria para as crianças. Para as crianças mais pobres, contudo, significa também que não poderão ter acesso à  merenda e, assim, ficarão com fome.

Meirinho usou a história para ilustrar “a extrema negação do direito à  vida numa cidade tão desigual quanto, infelizmente, é a nossa”. Em sua fala, Bruno destacou a relação entre o socialismo e o cristianismo, vistos como doutrinas de defesa intransigente do direito à  vida, em favor de uma sociedade baseada no princípio do amor.

Citando o capítulo 13 da I Epístola de São Paulo aos Coríntios, Bruno observou que a técnica, por si, não responde a todos os problemas humanos. Pois, se tivermos apenas a técnica, seremos como aquele que fala a língua dos homens e dos anjos!, mas que não tem amor e, portanto, é como o metal que soa ou como o sino que tine!.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Ideologia virou língua de mosquito. Siglas partidárias nada representam. Resumem-se simplesmente ao papel de oficialização de candidaturas.

    Na minha Santa Isabel do Ivai – o maior produtor de abacaxi do Sul brasileiro, o candidato Tuca Casagrande é PC do B e está sempre sentado nos primeiros bancos da igreja católica, cantando e louvando a Deus – ente abjeto ao comunismo. Agora, na coligação dele, também o apoio do Partido Social Cristão. Estanislau Ponte Preta chamaria isso de O samba do crioulo doido.

  2. É…o final dos tempos!!!
    comunista não ser ateu. Só em Curitiba…não estão lendo a cartinha do Marx e engels.

    Comunista que é comunista não acredita em Deus.

    Ou mudou a filosofia comunista?

  3. Bruno Meirinho vai atingir 3% dos votos e o PSOL vai fazer um (a) vereador (a): o Bernardo ou a Xênia, pode escrever aí,mais chance pra Xênia!!!!!

  4. Muito bom.

  5. Muitos se equivocam quando pensam que os socialistas não desejam um mundo cheio de amor e graça. Por mais que a direção de parte das igrejas seja contra os verdadeiros princípios cristãos, ainda existem aqueles que levam a mensagem do amor, inclusive na política.