Após 120 dias, termina a greve na UFPR

via Jornal de Londrina

Prédio histórico da UFPR.

Os professores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) suspenderam nesta quinta-feira (13) a greve da categoria iniciada há 120 dias. A decisão foi tomada em assembleia no Teatro da Reitoria pela maioria dos mais de 400 docentes que participaram da sessão. De acordo com a assessoria de imprensa da UFPR, as aulas deverão ser reiniciadas nesta segunda-feira, 17 de setembro, data definida na sessão sindical pelos professores. Na próxima semana, uma reunião do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da instituição (Cepe) legitimará o dia proposto e redefinirá o calendário, suspenso em 29 de junho.

O encerramento do movimento foi causado principalmente pela insatisfação de muitos docentes em relação ao sindicato e também por pressão de vários representantes da sociedade. Nesta manhã, o Ministério Público Federal (MPF) ajuizou uma ação civil pública contra a UFPR, o Sindicato Nacional dos Docentes do Ensino Superior (Andes) e a Associação dos Professores da Universidade Federal do Paraná (Apufpr) para que as aulas dos dois últimos períodos de todos os cursos oferecidos pela instituição fossem retomadas e pediu ainda que fosse aplicada multa diária de R$ 5 mil para cada réu.

A exemplo do que está acontecendo em outras universidades do Brasil, as aulas de reposição do primeiro semestre devem se estender até o fim de outubro, inclusive aos sábados. Logo em seguida começaria o período relativo ao segundo semestre, que terminaria em abril de 2013, provavelmente com um recesso de 21 de dezembro a 9 de janeiro.

Balanço

De acordo com o Andes, 21 instituições de ensino superior continuam paralisadas – o movimento chegou a conseguir a adesão de 57 das 59 universidades do país. A mobilização continua no Espírito Santo (Ufes), Mato Grosso (UFMT), Mato Grosso do Sul (UFMS), Viçosa (UFV), São João del Rei (UFSJ), Pará (UFPA), Oeste do Pará (Ufopa), Tecnológica do Paraná (UFTPR), Rural de Pernambuco (UFRPE), Vale do São Francisco (Univasf), Piauí (UFPI), Tocantins (UFT), Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Fluminense (UFF), Rio Grande (Furg), Pampas (Unipampa), Santa Maria (UFSM), Pelotas (UFPel), Rondônia (Unir), Roraima (UFRR) e Sergipe (UFS).

Os professores da Universidade Tecnológica do Paraná (UTFPR) continuam em assembleia e podem encerrar a greve também nesta quinta-feira (13).

Os docentes ligados ao Sindicato de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes), que representa parte da categoria, decidiram pelo fim da paralisação no dia 31 de agosto. Eles aceitaram a proposta do governo para reajuste salarial entre 25% e 40% em três parcelas até 2015.

Segundo informações do Ministério da Educação, entre os institutos federais, os estados de Alagoas, Mato Grosso, Minas Gerais, do Piauí, de Roraima, do Tocantins e da Paraíba, além do Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) de Minas Gerais ainda têm campus sem aulas por causa da greve. O Instituto Federal do Rio Grande do Norte é o único que continua inteiramente paralisado.

1 Comentário

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. até que em fim a justiça interveio na pouca de vergonha das greves. essa greve não prejudica o governo central ,e nem o provincial.mas o povão fica lesado,tava na hora de acabar!