Professores do PR aprovam indicativo de greve a partir de 23 de agosto

Professores das universidades estaduais ameaçam parar dia 23 de agosto.

Os professores das instituições estaduais de ensino superior do Paraná deverão cruzar os braços a partir do próximo dia 23 de agosto, em greve por tempo indeterminado, se o governo Beto Richa (PSDB) não cumprir uma extensa pauta de reivindicação da categoria.

A definição pela greve ocorreu na tarde desta quarta-feira (8) em assembleia dos mestres.

Os professores manifestaram indignação com o não cumprimento da equiparação salarial com os técnicos administrativos, anunciada em março deste ano pelo executivo. O indicativo de greve foi aprovado na assembleia por unanimidade.

Os professores ratificaram a paralisação das aulas do dia 16 de agosto como forma de advertir o governo do estado que a única maneira de evitar a greve é o envio do projeto da equiparação salarial à  Assembleia Legislativa, a aprovação pelos deputados e a publicação do reajuste no Diário Oficial do governo.

Na manhã do dia 16 os professores se reunirão em assembleia que deverá aprovar a deflagração de greve por tempo indeterminado a partir do dia 23 de agosto.

9 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Duvido que haja greve, a coleira ja foi colocada…

  2. Entra eleição sai eleição a professorada só leva no …Tá na hora de criarem vergonha se entenderem e fazerem algo correto. Mas, enquanto isso, o Alberto Roberto só tira foto…eiaaa nóis.

  3. Ontem na assembleia o Dep. Ademar Traiano do PSDB discursou todo feliz e fazendo chacota em cima da greve das univ. federais, disse ainda que o governo do PSDB sempre estancou as greves no governo deles. Agora queria ver o que tem a dizer ele dessa greve dos professores das univ. estaduais, como diz o velho ditado “pimenta nos olhos dos outros é refresco”.

  4. Mas é um absurdo. Os professores são a categoria que mais teve aumento no governo do Beto e ainda vão fazer greve?

  5. Como foi divulgado aqui no blog do Esmael, o governo estadual fez algumas promessas para o magistério e não as cumpriu. Todas a promessas foram divulgadas na imprensa,portanto são públicas e de conhecimento de todos que tomaram conhecimento do assunto, inclusive foram divulgadas neste blog, entretanto, o Governador não honrou a sua palavra, o magistério estadual tem tido muita paciência com o governo Beto Richa, mas diante de tanta mentira a paciência está acabando.
    Vocês, sabiam que o governo não cumpre a Lei, pois não paga o Piso Nacional aos professores do Paraná, nem cumpre o um terço de hora atividade que é uma Lei Federal.
    Os professores estaduais só querem que o governador honre a sua palavra e cumpra a Lei.

    • uma pena que nosso povo não tem a cultura de policiar as coisas, como em vários países…
      pois poderiam ver o estado em que se encontra a UEM (falta tudo)…
      é uma grande luta para nossos dirigentes para fazer a coisa funcionar….
      só nos resta uma ferramenta: A GREVE.
      vamos ver se assim ele nos houve…

  6. esmael, no começo do texto fala em tempo determinado, e no fim indeterminado. qual o certo? abraços

  7. esmael essas greves em ano eleitoral tem alguem tirando proveito disso .a policia federal faz greve ,professores e outros ,essa greve pode ser politica .o ministerio publico tem um no para desatar.essas greves podem ser justas ,mas no ano eleitoral deixa uma duida ,que lado estão .o governo federal não pode ser culpado de tudo.nas eleições pra presidente em 89 o sarney enfrentou uma 3000 greves a maioria injusta.esse povo ama o brasil?como que o salariado com a menor renumeração não faz greve? por isso que o setor publico tem que ser tercerizado,eu não acho boa aideianão apoio.mas as greves seria tecnicas e não politicas.quando a imprensa batia nos aeroportos agora na iniciativa privada calou se a imprensa.o pior sessa greve que o trabalho do exercito não e deixado aparecer na grande midia ,ai eu noto que falta brsilidade dos grevistas.