Por Esmael Morais

Conselho de à‰tica vota hoje afastamento de Derosso

Publicado em 05/09/2011

Se o pedido de afastamento for aprovado pelo Conselho, será formada uma comissão processante com três vereadores sorteados em plenário. O relatório de Yamawaki deve ser apreciado por essa comissão, que, então, coloca o afastamento em votação em plenário. O mesmo procedimento acontecerá caso o pedido de cassação sair vencedor. As outras penas possíveis (advertência, censura pública e suspensão de prerrogativas) podem ser aplicadas diretamente pelo Conselho.

Relatório

Apresentado na quinta-feira, o relatório de Yamawaki se refere somente à  denúncia feita pelo economista Everton de Andrade, acusando Derosso de irregularidades na contratação da empresa Oficina de Notícias.

O primeiro problema seria o fato de Cláudia ser funcionária da Câmara quando a licitação ocorreu, em 2006. Entretanto Yamawaki avaliou que, como a própria jornalista assinou um documento se dizendo desimpedida, Derosso não poderia ser responsabilizado por isso. Outro problema seria o fato de o edital da licitação ter sido publicado so!­!­!­mente no jornal Diário Popular. O relatório diz que apenas essa pu!­!­!­blicação era o suficiente.

O que acabou pesando contra Derosso foi o seu relacionamento com Cláudia quando foram assinados aditivos ao contrato. Em 2008 e 2009, a Câmara prorrogou seu contrato com a Oficina da Notícia. Na época, Cláudia e Derosso já tinham um relacionamento. En!­!­!­!­tretanto, o vereador teria omitido este fato do Conselho. Por causa disso, Yamawaki indicou o afastamento.

Segundo levantamento pu!­!­!­!­bli!­!­!­cado pela Gazeta do Povo, publicado no dia 8 de agosto, apenas 7 dos 38 vereadores se mostraram favoráveis ao afastamento de Derosso. Outros sete se declararam contra, enquanto os demais não se pronunciaram ou disseram depender de outros fatores. Entretanto, muitos po!­!­!­dem mu!­!­!­dar de orientação já que agora o pedido parte de uma de!­!­!­cisão do Conselho, e não de um parlamen!­!­tar isolado.