7 de Maio de 2016
por esmael
5 Comentários

#AnulaMaranhão: agora é a vez do impeachment de Temer na Câmara

maranhao_temerO novo presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), se comprometeu a dar seguimento ao pedido de impeachment do vice-presidente Michel Temer. A informação é do deputado Silvio Costa (PTdoB-PE), vice-líder do governo.

Paralelamente, articula-se nos bastidores da Câmara a anulação do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff antes de o Senado votar em plenário o afastamento dela na próxima quarta-feira, dia 11.

Se houver essa decisão, um novo processo de impeachment seria aberto contra Dilma e Temer – presidente e vice – o que fortaleceria a tese da antecipação da eleição para outubro.

29 de Março de 2016
por esmael
20 Comentários

Deputados fazem ato pelo #ForaCunha no plenário da Câmara; assista

O deputado Silvio Costa (PTdoB-PE), vice-líder do governo, liderou na tarde desta terça-feira (29) um ato pelo #ForaCunha no plenário da Câmara.

O parlamentar denunciou o golpe contra o mandato da presidente Dilma Rousseff e a tentativa do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) converter-se em vice-presidente da República.

Caso haja o impeachment e o vice Michel Temer assuma a Presidência, Cunha será o primeiro na linha sucessória. Ele é réu no Supremo, sob a acusação de corrupção na Petrobras.

Assista ao vídeo:

11 de julho de 2015
por esmael
14 Comentários

Vídeo com deputado “fuzilando” PSDB e TCU vira “meme” na internet; assista

do Brasil 247
Ele não é do PT, mas tem se mostrado mais petista que os próprios integrantes da legenda quando se trata de defender o governo da presidente Dilma Rousseff dos ataques da oposição. O deputado federal Silvio Costa (PSC-PE) foi responsável, nesta semana, por um dos discursos mais veementes contra a oposição, em que aponta as incoerências do PSDB, seja nas votações ou nas críticas contra o governo.

Costa, que é um dos vice-líderes do governo na Câmara, defende que a base aliada da presidente Dilma Rousseff mude de postura, partindo para o enfrentamento, em relação aos partidos da oposição ou em relação ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), responsável por impor seguidas derrotas ao governo nas votações em plenário. “Ele não pode continuar utilizando o governo para derrotar o governo. O Cunha não pode continuar dando capim às suas ovelhas do pasto alheio. Ele não pode usar o Executivo para premiar as suas ovelhas”, disparou.

Assista ao vídeo

Apesar de o PMDB ser o maior aliado, Silvio Costa destaca que uma mudança de estratégia deveria “trabalhar em cima da desorganização” da legenda resultante do “pseudomandonismo” de Cunha. “Ele nunca foi hegemônico dentro do PMDB e vem perdendo gordura política, perdendo apoio na Casa pelo estilo ditatorial, imperial, que impôs sobre diversos parlamentares. O governo deveria trabalhar melhor esta insatisfação do PMDB”, analisa.

Silvão, como o pernambucano também é conhecido, diz que, assim como Cunha, “a oposição tem como marca a incoerência” e acusa os parlamentares que querem apear a presidente Dilma do cargo – por meio de uma tentativa de impeachment ou por casuísmos legais, como as chamadas ‘pedaladas fiscais’ questionadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) – de “populismo nojento contra o Brasil”.

Para estes, ele faz questão mandar um recado: “Este discurso da oposição não consegue chegar aos corações das pessoas, ao contrário do presidente Lula [ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva]. Eles perderam as últimas eleições para a Dilma e vão perder em 2018 novamente para o Lula”.

Assista abaixo ao discurso de Silvio Costa desta semana e leia a entrevista do deputado ao Pernambuco 247:

O senhor tem sido responsável pela defesa mais veemente do governo Dilma na Câmara. Como avalia as seguidas derrotas impostas pelo presidente da Casa, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), nas votações de interesse do governo?

Defendo uma mudança de postura. Eu defendo o enfrentamento com o Cunha. Ele não pode continuar utilizando governo para derrotar o governo. Ele promete aos parlamentares liberar emendas, cargos, e em seguida liga para pressionar ministros. Ele mudou 20 votos na PEC da Maioridade Penal de um dia para o outro. Nenhum parlamentar muda de opinião assim, da noite para o dia. O Cunha não pode continuar dando capim às suas ovelhas do pasto alheio. Ele não pode usar o Executivo para premiar suas ovelhas.

Ele é da base aliada e tem apoio na Casa… então como seria este enfrentamento?

Reconheço que ele deu celeridade à pauta da Câmara, mas também tem atropelado o regimento da Casa e a própria Constituição em interesse próprio. É o pseudomandonismo do Cunha. Ele sabe da