11 de Março de 2016
por esmael
22 Comentários

Defesa pede proteção para delator de propina ao tucano Beto Richa

por Fábio Silveira, do blog Baixo Clero, de Londrina

O auditor fiscal Luiz Antônio de Souza, principal delator na Operação Publicano, pediu medidas especiais para garantir a segurança dele, em decorrência da abertura de investigações contra o governador Beto Richa (PSDB), autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

No pedido, alegando “razões de extrema cautela” e justificando temer “pela integridade física” de Souza, o advogado Eduardo Duarte Ferreira, que defende o delator, pediu que o juiz da 3ª Vara Criminal de Londrina, Juliano Nanuncio, determine “isolamento absoluto, monitoramento diuturno por câmeras de segurança, da movimentação de pessoas que cercam o cubículo que mantém a restrição de liberdade [de Souza]” e pede ainda que ele só faça as refeições com alimentos fornecidos pela sua família.

Ferreira lembra no requerimento que em interrogatório realizado na segunda-feira (7), Souza reafirmou a denúncia de que dinheiro de propina obtido por auditores fiscais em troca de facilitar a sonegação, teria alimentado a campanha de Beto Richa à reeleição. A afirmação tinha sido feita nos depoimentos ao Gaeco – e por isso subiu até a Procuradoria Geral da República, que pediu a abertura das investigações – e foi reafirmada em juízo, durante o interrogatório.Segundo o delator, foram R$ 4,4 milhões para a campanha do tucano.

Nesse mesmo interrogatório, Souza relatou ameaças à sua integridade física, feitas dentro da PEL 1, onde ele está preso. “Os fatos articulados pelo Requerente [Souza], por si só, demonstram a necessidade de medidas excepcionais visando a proteção de sua vida”, escreveu o advogado. Ele argumentou que a autorização do STJ para que Beto Richa seja investigado com base nas declarações feitas pelo delator – que deverá ser chamado novamente a depor – justificam as medidas de segurança.

“Tais questões afloram sentimentos de absoluto cuidado com a integridade física do Requerente, já, outrora, ameaçada por interesses muito menores. Logicamente que aqui não se imputa ao senhor Governador de Estado qualquer ação imprópria, porém, a cautela d

20 de dezembro de 2014
por esmael
9 Comentários

Lava Jato tira Henrique Alves do ministério de Dilma; deputado João Arruda mais perto da Esplanada

henrique_dilma_joao.jpgO presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), deve ser descartado de ministério no segundo governo da presidenta Dilma Rousseff (PT). O peemedebista fora citado esta semana como beneficiário do esquema de desvio de verbas na Petrobras. Leia mais

6 de Fevereiro de 2014
por esmael
6 Comentários

Vaquinha do delator Roberto Jefferson terá Collor, Gim e Jovair

do Brasil 247O delator do chamado ‘mensalão’, Roberto Jefferson, pretende seguir o caminho dos petistas condenados na Ação Penal 470 e pedir ajuda para pagar a multa de R$ 724 mil a que foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Alguns nomes que estão na lista do ex-deputado do PTB são importantes líderes do partido, como o ex-presidente Fernando Collor (AL), o senador Gim Argello (DF) e o deputado Jovair Arantes (GO).

“Ligo para o Collor, para o Gim, para o Jovair. Peço ao Benito para arrecadar. O Collor não vai se negar, tenho certeza. Meus companheiros não vão me faltar”, declarou Roberto Jefferson ao jornal O Estado de S.Paulo. “Mas, primeiro, vou tentar liquidar (a multa) da minha parte, talvez pedir um parcelamento”, acrescentou o ex-deputado.

A ideia, no entanto, não é lançar um site, como fizeram os petistas José Genoino e Delúbio Soares. Juntos, os dois arrecadaram pela internet cerca de R$ 1,7 milhão para pagar suas multas. “Não vou fazer lista em site. Não sei e não quero fazer. O PT tem facilidade em arrecadar, todos que têm mandato contribuem mensalmente com o partido. No PTB, os deputados não dão um centavo ao partido”, disse Jefferson.

Apesar de réu confesso e sem mais direito a recursos pela condenação de sete anos e 14 dias de prisão, Roberto Jefferson continua solto. Ele aguarda do presidente do STF, Joaquim Barbosa, a decisão sobre se poderá cumprir pena em regime domiciliar. Sua defesa argumenta que, por conta da recuperação de uma cirurgia que retirou um câncer no pâncreas, o ex-deputado tem uma dieta rígida, que não poderia ser seguida na cadeia.

A dieta que inclui salmão e geleia real, amplamente divulgada pela imprensa no ano passado, foi repetida por Jefferson nesta quarta-feira 5: “ridicularizaram minha dieta, mas é o que tenho que seguir diariamente. Não tenho condição de ficar em um presídio com o que eu como: arroz, pão, massa integrais, queijo magro, proteína, salmão, geleia real”, disse.

Sobre a prisão dos outros condenados, Jefferson disse que o ex-ministro José Dirceu não tem que “sofrer mais que os outros” !“ o petista pediu autorização para trabalhar, mas foi o único que não obteve resposta de Barbosa. O ex-deputado do PTB também disse ser favorável à  prisão domiciliar de Genoino, que sofre de uma doença do coração.

Uma vantagem, ao menos, Jefferson tem. Conta, até o momento, com a aparente simpatia de Joaquim Barbosa, que não dá qualquer sinal de que pretende prendê-lo.