PSOL pede impeachment de Crivella por “guardiões” da Saúde

Vereadores do PSOL no Rio de Janeiro protocolaram um pedido de impeachment do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos).

O vereador Tarcísio Motta postou uma imagem com a vereadora Renata Souza, protocolando o pedido, e escreveu:

“PROTOCOLADO! Estivemos agora com @renatasouzario na @camarario e apresentamos ao presidente da casa o pedido de #Impeachment assinado pela deputada. Não podemos deixar que práticas milicianas sejam utilizadas para afugentar a população e impedir que a imprensa cumpra seu papel.”

O presidente da Câmara de Vereadores do Rio, Jorge Felippe (DEM), anunciou que vai levar o pedido de impeachment contra o prefeito, Marcelo Crivella (Republicanos), ao plenário na quinta-feira (3). Jorge  teve o aval da Secretaria Geral da Mesa e da Procuradoria da Câmara.

O mandato do prefeito já está no fim, mas ele é candidato a reeleição; e um processo agora poderá fazer um estrago em sua campanha, ou até tirá-lo do pário.

Os motivos estão na matéria a seguir:

Crivella usa ‘guardiões’ na entrada de hospitais para impedir reportagens

O telejornal RJ2 da Rede Globo mostrou um situação surreal no Rio de Janeiro. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (Republicanos), estaria utilizando servidores públicos para atrapalhar a atuação da imprensa nas entradas dos hospitais públicos municipais.

Os servidores teriam horário determinado para ficar de plantão. O esquema seria organizado por grupos de Whatsapp, com escalas e comprovação da atuação através de selfies.

Segundo a reportagem, os servidores atuam em grupos e interferem sempre que um jornalista tenta ouviu um paciente sobre a qualidade do atendimento. Eles são chamados de “Guardiões do Crivella”.

Os servidores destacados têm cargos comissionados, e são ameaçados de demissão, caso não cumpram seu papel e permitam a realização das reportagens.

Um dos relatos chamou a atenção, pois, enquanto uma paciente era ouvida por uma jornalista, dois homens começaram a gritar “Bolsonaro, Bolsonaro”. A reportem não teve outra alternativa a não ser interromper a matéria.

Será que não seria melhor o prefeito utilizar esse dinheiro para melhorar o atendimento? Ou é mais barato coagir a imprensa?

Com informações do G1 e Sputnik.

LEIA TAMBÉM:
Requião defende candidatura única das oposições em 2022

Vergonha! Salário mínimo de R$ 1.067,00 em 2021, propõe governo Bolsonaro

Dilma: ‘O golpe é contra o povo e contra a nação’; veja o discurso histórico

PT relembra os quatro anos do golpe de 2016 contra Dilma Rousseff