Juiz das garantias, que bicho é esse?

Publicado em 26 dezembro, 2019
Compartilhe agora!

Sérgio Moro é contra o juiz das garantias por uma questão política.
Estopim para o bate-boca entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro Sérgio Moro, o juiz das garantias é um “ser” ainda desconhecido para advogados, réus e cidadãos comuns.

Afinal de contas, que bicho é esse?

O Blog do Esmael explica para o leitor.

A figura do juiz das garantias foi introduzido no Código de Processo Penal (CPP). A partir de agora, ele será o responsável pelo controle da legalidade da investigação criminal e pela salvaguarda dos direitos fundamentais do acusado.

Atualmente, um mesmo juiz participa da fase de inquérito e profere a sentença, porque foi o primeiro a tomar conhecimento do fato (art. 73, parágrafo único do CPP).

Com as mudanças bem-vinda, aliás, caberá ao juiz das garantias atuar na fase da investigação e ao juiz do processo julgar o caso – este tendo ampla liberdade em relação ao material colhido na fase de investigação.

Segundo o pacote anticrime sancionado esta semana por Bolsonaro, e que causou paúra em Moro, o juiz das garantias terá o papel de:

  • decidir sobre a autorização ou não de escutas, de quebra de sigilo fiscal, de operações de busca e apreensão;
  • requisitar documentos, laudos e informações ao delegado de polícia sobre o andamento da investigação;
  • determinar o trancamento do inquérito quando não houver fundamentos suficientes para a investigação;
  • julgar alguns tipos de habeas corpus; e
  • decidir sobre a aceitação de acordos de delação premiadas feitos durante a investigação.

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, ficou contrariado com a criação do juiz das garantias porque, se esse elemento já existisse, possivelmente os abusos cometidos por ele e a força-tarefa da Lava Jato seriam freadas desde o início.

LEIA TAMBÉM
“O juiz de garantias vai proteger contra abusos como os de Moro”, diz Freixo

Moro publica nota criticando decisão de Bolsonaro do juiz das garantias

Bolsonaro e Moro ‘batem boca’ sobre ‘juiz de garantias’

O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), um dos entusiastas do juiz das garantias, afirma que se trata de um “avanço civilizatório”.

O presidente da República torceu o nariz para a opinião de Sérgio Moro e sancionou o pacote aprovado pelo Congresso Nacional.

Bolsonaro justificou a sanção da lei dizendo que na elaboração de leis quem dá a última palavra sempre é o Congresso, ‘derrubando’ possíveis vetos.

“Não posso sempre dizer não ao Parlamento, pois estaria fechando as portas para qualquer entendimento”, justificou. “Só avançamos também porque recuamos em alguns pontos”, completou.

O juiz das garantias vai cuidar do processo até o momento em que a denúncia é formalmente apresentada à Justiça pelo Ministério Público. A partir daí, um outro juiz será responsável pelo caso, ouvindo testemunhas e julgando os acusados. Tal figura, atestam os juristas, poderá trazer mais isenção ao judiciário hoje combalido pela atuação política da Lava Jato.

O juiz das garantias não é uma inovação brasileira, pelo contrário. O direito processual penal italiano já o adota desde 1988 o ‘giudizio di indagini preliminari’ (juiz de investigações preliminares) e os direitos processuais chileno, colombiano e paraguaio também o introduziram em seus respectivos ordenamentos jurídicos.

Portanto, o juiz das garantias é alvissareiro porque pode significar um freio na partidarização do judiciário brasileiro. É isso que Moro e a Lava Jato não querem. Eles gostaram da política.

Compartilhe agora!