TRF4 publica acórdão do julgamento de Lula, mas defesa ainda será intimada

Presidente do TRF4 afirma que Lula ‘não é bem-vindo’ na Polícia Federal de Curitiba

Publicado em 1 outubro, 2019
Compartilhe agora!

Porto Alegre (RS) – Prédio-sede do TRF da 4ª Região, em Porto Alegre (Sylvio Sirangelo/TRF4)
O presidente do TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), Victor dos Santos Laus, afirmou nesta terça-feira (1º) que o ex-presidente Lula ‘não é bem-vindo’ na Polícia Federal de Curitiba.

A declaração do desembargador ocorreu durante uma entrevista à Rádio Gaúcha, de Porto Alegre, um dia após o petista rejeitar em carta a progressão para o regime semiaberto.

“Ele sabe que não é bem-vindo onde ele está. O fato de ele recusar um benefício, é uma situação extraordinária. Uma vez implementado o tempo necessário à progressão, ele progride de regime, e pode ser requerido pelo MP, porque o sistema tem a necessidade de oferecer a vaga a outra pessoa”, disse Laus.

O presidente do TRF4 citou supostas manifestações no entorno da PF de Curitiba, bairro Santa Cândida, que teriam pedido para que o ex-presidente fosse transferido para outro presídio.

LEIA TAMBÉM
URGENTE: Lula poderá ser solto ainda nesta terça-feira

Namorada de Lula: “Hoje vou dormir com o coração tranquilo e um orgulho enorme do meu bem”

Perguntar não ofende: Lula será solto depois de aprovada a reforma da previdência?

Não é verdade. Existe até uma associação de moradores “Amigos do Lula” na região em que fica a Superintendência da Polícia Federal do Paraná.

O desembargador Laus acredita que Lula usufrua de “regalia” de permanecer na PF de Curitiba, apesar de o ex-presidente ter sido condenado sem provas e ter havido conluio entre o julgador (ex-juiz Sérgio Moro) e o acusador (procuradores da força-tarefa Lava Jato).

Para o leitor se situar, os lavajatistas querem agora expulsar Lula da prisão; o ex-presidente disse que não sai da cadeia sem o diploma de inocente, mas, para isso, o Supremo Tribunal Federal (STF) precisa declarar a suspeição de Moro e, consequentemente, anular a condenação que o mantém injustamente preso há 542 dias.

Compartilhe agora!