Maduro comemora conquista de vaga no Conselho de Direitos Humanos da ONU

Publicado em 18 outubro, 2019
Compartilhe agora!

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta quinta-feira (17) que a conquista de uma das vagas no Conselho de Direitos Humanos da ONU é uma vitória do país contra a “campanha de pressão” liderada pelos Estados Unidos, com apoio do Grupo de Lima, do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (BM).

“Tremenda vitória da Venezuela enfrentando o complô, a conspiração, a campanha brutal do governo de Donald Trump, uma campanha de pressão, de perseguição contra os países do mundo, à qual se uniu o FMI e o Banco Mundial”, afirmou Maduro.

LEIA TAMBÉM:
Lava Jato blindou Temer e ajudou a consumar o golpe de 2016, apontam conversas vazadas

Frota diz que vai apresentar pedido de impeachment de Bolsonaro

MPF pede “Lula Livre” em ação sobre ‘quadrilhão do PT’

Em discurso transmitido em rede nacional de rádio e televisão, o líder chavista celebrou os votos conquistados pela Venezuela na eleição, apesar das “ameaças e chantagens” dos Estados Unidos e do Grupo de Lima, do qual o Brasil, que também se elegeu para o Conselho de Direitos Humanos da ONU, faz parte. Maduro agradeceu aos diplomatas venezuelanos pelo trabalho na ONU e considerou a eleição como uma “vitória da pátria venezuelana”.

O líder da oposição, Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, disse que o governo chavista receberá uma “cadeira manchada de sangue” devido às constantes violações dos direitos humanos cometidos pelo regime de Maduro na Venezuela.

A candidatura venezuelana levou a melhor sobre a da Costa Rica, que também tentava conquistar uma das duas cadeiras para a América Latina e o Caribe no Conselho de Direitos Humanos da ONU. A Venezuela obteve apoio de 105 dos 193 países da ONU, e os costa-riquenhos apenas de 96.

A segunda ficou com o Brasil, que obteve 153 votos. O governo de extrema direita do presidente Jair Bolsonaro deve aproveitar deste mandato para defender pautas conservadoras. Em ocasiões recentes, o Brasil se alinhou aos regimes autoritários de países como a Arábia Saudita e Paquistão durante votações sobre direitos sexuais de mulheres no órgão de Direitos Humanos mais importante da ONU.

Com informações de agências internacionais.

Compartilhe agora!