Maduro comemora conquista de vaga no Conselho de Direitos Humanos da ONU

Publicado em 18 outubro, 2019

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta quinta-feira (17) que a conquista de uma das vagas no Conselho de Direitos Humanos da ONU é uma vitória do país contra a “campanha de pressão” liderada pelos Estados Unidos, com apoio do Grupo de Lima, do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (BM).

“Tremenda vitória da Venezuela enfrentando o complô, a conspiração, a campanha brutal do governo de Donald Trump, uma campanha de pressão, de perseguição contra os países do mundo, à qual se uniu o FMI e o Banco Mundial”, afirmou Maduro.

.

LEIA TAMBÉM:
Lava Jato blindou Temer e ajudou a consumar o golpe de 2016, apontam conversas vazadas

Frota diz que vai apresentar pedido de impeachment de Bolsonaro

MPF pede “Lula Livre” em ação sobre ‘quadrilhão do PT’

.

Em discurso transmitido em rede nacional de rádio e televisão, o líder chavista celebrou os votos conquistados pela Venezuela na eleição, apesar das “ameaças e chantagens” dos Estados Unidos e do Grupo de Lima, do qual o Brasil, que também se elegeu para o Conselho de Direitos Humanos da ONU, faz parte. Maduro agradeceu aos diplomatas venezuelanos pelo trabalho na ONU e considerou a eleição como uma “vitória da pátria venezuelana”.

O líder da oposição, Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, disse que o governo chavista receberá uma “cadeira manchada de sangue” devido às constantes violações dos direitos humanos cometidos pelo regime de Maduro na Venezuela.

A candidatura venezuelana levou a melhor sobre a da Costa Rica, que também tentava conquistar uma das duas cadeiras para a América Latina e o Caribe no Conselho de Direitos Humanos da ONU. A Venezuela obteve apoio de 105 dos 193 países da ONU, e os costa-riquenhos apenas de 96.

.

A segunda ficou com o Brasil, que obteve 153 votos. O governo de extrema direita do presidente Jair Bolsonaro deve aproveitar deste mandato para defender pautas conservadoras. Em ocasiões recentes, o Brasil se alinhou aos regimes autoritários de países como a Arábia Saudita e Paquistão durante votações sobre direitos sexuais de mulheres no órgão de Direitos Humanos mais importante da ONU.

Com informações de agências internacionais.