‘Lava Jato fecharia o Congresso, se estivesse no poder’, afirma Gilmar Mendes

Nas vésperas de a Câmara instalar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a #VazaJato, o vazamento de conversas de procuradores da força-tarefa e o ex-juiz Sérgio Moro, o ministro do STF Gilmar Mendes afirma que, se estivesse no poder, a Lava Jato fecharia o Congresso Nacional.

“Nós aprendemos, vendo esse submundo, o que é que eles faziam. Delações submetidas a contingência, ironizavam as pessoas, perseguiam os familiares para obter o resultado em relação ao verdadeiro investigado, tudo isso que nada tem a ver com o Estado de Direito. Vamos imaginar que essa gente estivesse no poder Executivo, o que que eles fariam? Certamente fechariam o Congresso, fechariam o Supremo”, detonou.

A certeira declaração de Gilmar se deu à Folha e o UOL, para quem concedeu entrevista que foi publicada neste domingo (15).

LEIA TAMBÉM
Gilmar Mendes chama de “crápulas” e “falsos heróis” membros da Lava Jato

A base de calmantes, Moro e Deltan aguardam novas revelações da #VazaJato

O Brasil que pensa perdeu a paciência com a prisão política de Lula

O magistrado do Supremo Tribunal Federal se posicionou contrário à “CPI da Lava Toga” –para investigar o judiciário– porque, segundo ele, seria inconstitucional e por isso acabaria barrada pelo STF.

Gilmar reconheceu que houve méritos na Lava Jato, mas criticou os crimes cometidos pela força-tarefa em nome do suposto combate à corrupção. O ministro também disse, na entrevista, que a liberdade de Lula deverá ser julgada entre outubro e novembro.

A Segunda Turma, da qual faz parte o ministro, é quem julgará o pedido de habeas corpus do ex-presidente. O recurso foi impetrado pela defesa do petista em novembro de 2018, mas foi paralisado com um pedido de vista de Gilmar Mendes.