Gilmar Mendes chama de “crápulas” e “falsos heróis” membros da Lava Jato

Publicado em 15 setembro, 2019
Compartilhe agora!

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, classificou como “crápulas” e “falsos heróis” membros da força-tarefa Lava Jato que cometeram crimes e violaram o Estado de Direto.

Sem citar os nomes do ex-juiz Sérgio Moro e do procurador Deltan Dallagnol, o magistrado da corte máxima foi entrevistado pela Folha e UOL. Ele respondeu às perguntas à luz das reportagens do site The Intercept Brasil, denominadas #VazaJato.

Para Mendes, o Supremo teria que fechar as portas se considerasse popularidade de Moro ao julgá-lo. O ministro do STF está prestes a liberar o julgamento da suspeição do ex-juiz da Lava Jato.

LEIA TAMBÉM
O Brasil que pensa perdeu a paciência com a prisão política de Lula

Eugênio Aragão: “Augusto Aras é um oportunista, um vendedor de tônico capilar”

General Heleno aciona ‘arapongas’ e teme greve na Petrobras, diz jornal

O pedido de suspeição de Moro foi formulado pela defesa do ex-presidente Lula, mantido preso político desde 7 de abril de 2018. O petista foi condenado sem provas nos casos tríplex e sítio de Atibaia, sem o respeito ao contraditório e ao devido processo legal.

“O conúbio entre juiz, promotor, delegado, gente de Receita Federal é conúbio espúrio. Isso não se enquadra no nosso modelo de Estado de Direito”, considerou Gilmar Mendes, ao analisar o conteúdo das mensagens divulgadas pelo Intercept.

O ministro do Supremo Tribunal Federal defendeu, sem citá-los, que Moro e Deltan façam uma autocrítica de seus erros ao longo da existência da Lava Jato.

“Simplesmente dizer: nós erramos, fomos de fato crápulas, cometemos crimes. Queríamos combater o crime, mas cometemos erros crassos, graves, violamos o Estado de Direito.”

Compartilhe agora!