Bolsonaro rifa pacote anticrime de Moro

Publicado em 8 agosto, 2019
Compartilhe agora!

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (8) que a próxima prioridade do governo, depois de aprovada a reforma da Previdência, será a reforma tributária, e descartou apoio do Planalto para que o pacote anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, tenha a tramitação acelerada.

“Entendo a angústia dele (Moro) querer que o projeto dele vá para frente, mas nós temos que diminuir o desemprego, fazer o Brasil andar. Essa é a nossa preocupação maior”, disse Bolsonaro em entrevista ao sair do Palácio da Alvorada.

LEIA TAMBÉM:
Moro diz ao STF que não determinou destruição de provas obtidas com hackers

PCdoB denuncia Moro na Comissão de Ética da Presidência

Moro e Dallagnol são esculachados em frente ao MPF de Curitiba

“E sabemos que uma pressão em cima da reforma dele agora atrapalha um pouco a tramitação da nossa reforma mãe, que é a da Previdência. Eu tenho falado para ele ter um pouco mais de paciência”, acrescentou.

Moro apresentou um pacote de medidas de segurança e combate à corrupção pouco antes de o governo enviar ao Congresso a proposta de reforma da Previdência, o que foi criticado por parlamentares justamente porque poderia atrapalhar a reforma previdenciária.

O pacote anticrime, como está sendo chamado, acabou relegado a segundo plano e passou primeiro por um grupo de trabalho antes de passar a ser analisado em uma comissão especial da Câmara, onde o ministro tem sofrido derrotas. Moro cobrou um empenho maior do governo em defesa das medidas, mas Bolsonaro deixou claro que essa não é a prioridade agora.

“Vou conversar com Moro. Teve alguma reação do Parlamento e você não pode causar turbulência. Lamento, mas vai ter que dar uma segurada. Eu não quero pressionar isso daí e atrapalhar, tumultuar lá. Tantas outras propostas não enviamos para não atrapalhar a Previdência”, justificou.

O presidente disse ainda que Moro, ex-juiz federal da operação Lava Jato, veio de um ambiente em que ele “decidia com uma caneta na mão”, mas que agora o governo não pode decidir de forma unilateral e que esse é um “jogo que tem que saber jogar”.

Ao ser questionado sobre a prioridade a partir de agora, depois que a reforma da Previdência foi aprovada em dois turnos na Câmara e será enviada ao Senado, Bolsonaro respondeu: “Tributária. Eu gostaria de estar tramitando outras propostas, mas para evitar tumulto”.

As informações são da Reuters.

Compartilhe agora!