Moro diz ao STF que não determinou destruição de provas obtidas com hackers

Compartilhe agora!

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que não determinou a destruição provas obtidas pela Polícia Federal (PF) com acusados de hackeamento de celulares de autoridades presos na Operação Spoofing. A manifestação foi enviada em ação do PDT, pela qual o ministro Luix Fux proibiu a destruição do material.

“Esclareço que este ministro da Justiça e Segurança Pública não exarou qualquer determinação ou orientação à Polícia Federal para destruição do material ou mesmo acerca de sua destinação, certo de que compete, em princípio, ao juiz do processo ou ao próprio Poder Judiciário decidir sobre a questão, oportunamente”, afirmou Moro em ofício enviado ao STF.

LEIA TAMBÉM:
PCdoB denuncia Moro na Comissão de Ética da Presidência

Moro e Dallagnol são esculachados em frente ao MPF de Curitiba

Juízes debatem na UFPR excessos da Lava Jato e a perseguição a Lula

O PDT entrou com o processo no STF após o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, uma das autoridades hackeadas, divulgar nota na qual dizia que Moro lhe havia informado que o material obtido a partir da invasão de celulares seria descartado “para não devassar a intimidade de ninguém”.

Moro disse ainda ao STF que a afirmação de que o material seria descartado foi “apenas um mal-entendido”.

A hipótese de destruição das mensagens gerou reação de ministros do Supremo. O ministro Marco Aurélio Mello disse que Moro não poderia ordenar destruição de material. “Cabe somente ao Judiciário decidir sobre a destruição de provas”, disse na ocasião.

Outros dois ministros questionaram reservadamente também o fato de Moro ter acesso ao inquérito, quando apenas o juiz e o delegado deveriam ter conhecimento do conteúdo.

Clique aqui para ler o ofício de Moro.

Com informações do Estadão e Conjur.

Compartilhe agora!