Lembrando 2015: Cresce a pressão dos professores contra o governo Richa

No dia 10 de abril de 2015, a APP-Sindicato protocolava um pedido de retomada das negociações com o governo do Estado. À noite, professores protestaram contra Beto Richa (PSDB) na inauguração do Teatro de Cascavel, mas foram recebidos pela tropa de choque da Polícia Militar.

Uma assembleia geral da categoria seria realizada no dia 25 de abril, no município de Londrina. A intenção da direção da APP-Sindicato era negociar antes da assembleia e, talvez, evitar mais uma greve. A paralisação anterior havia sido suspensa em 9 de março depois de um mês sem aulas.

Mas o governo do Estado estava roendo a corda a começar pela retomada na Assembleia Legislativa do confisco da previdência, além do descumprimento da pauta financeira. Ou seja, o acordo que levou ao fim a primeira greve não estava sendo cumprido.

E para demonstrar sua indignação com o governo, os professores estavam realizando manifestações por todo o Paraná. Naque mesmo dia 10 de abril, educadores e artistas protestam contra o governador Beto Richa (PSDB) em Cascavel. O governador foi participar da inauguração de um teatro na cidade. E os manifestantes foram recebidos pela tropa de choque da PM.

Assista ao vídeo:

A truculência de Richa só cresceu depois disso. A greve foi retomada na assembleia geral do dia 25. Mas ainda há muitos fatos para recordar antes do desfecho no dia 29 de abril. Acompanhe diariamente aqui no Blog do Esmael. Para que nunca mais se repita.

Comentários encerrados.