Por Esmael Morais

Beto Richa deverá enfrentar greve de professores no início do ano letivo de 2018

Publicado em 31/12/2017

O grupo de professores “APP Independente” vai à assembleia geral da categoria, em 27 de janeiro, defender que o ano letivo de 2018 não comece sem antes o governador Beto Richa (PSDB) honrar o piso nacional de R$ 2.455,35. O tucano “come” 1/4 do vencimento do magistério ao pagar apenas R$ 1982,10 por 40 horas de trabalho.

Segundo a nota oficial da “APP Independente”, os educadores vêm acumulando derrotas nos últimos anos ao citar que o governo do Paraná não cumpre o percentual de 33% de hora-atividade previstos na Lei do Piso e denuncia que Richa reduziu em 13,35% os salários dos professores contratados pelo Processo Seletivo Seriado (PSS).

Principal grupo de oposição, o grupo “APP Independente” põe na conta da direção estadual da APP-Sindicato a defasagem do piso para os professores paranaenses em relação ao Piso nacional do Magistério.

A seguir, leia a íntegra da nota oficial da “APP Independente”:

Sobre o novo valor do Piso Nacional do magistério

Nesta semana, o MEC publicou Portaria anunciando o novo valor do Piso Nacional de Magistério para o ano de 2018. O Piso mínimo para os professores do Brasil será de R$ 2.455,35. Ele teve um reajuste de 6,81% em relação ao ano anterior.

O Piso é uma das poucas políticas nacional de valorização dos professores conquistada em Lei durante o governo Lula.

O Piso deve ser aplicado tanto para as redes municipais como para as estaduais. No entando, o governo do Paraná não cumpre a Lei desde 2014. Vamos para o quarto ano abaixo do Piso.

Governo do Paraná não cumpre a Lei – O Piso inicial de um professor do Paraná por 40 horas hoje é de R$ 1.982,10. Isto corresponde a 23% abaixo do Piso Nacional. Nos últimos anos tivemos uma desvalorização de quase 1/4 do nosso vencimento base.

Fora isto, o governo do Paraná não cumpre o percentual de 33% de hora-atividade previstos na Lei do Piso. E pior, além de descumprir a Lei do Piso, o governo promove redução de salários dos professores PSSs.

Ação sindical – Uma das principais críticas que a APP Independente tem feito ao grupo que dirige estadualmente a APP-Sindicato foi a de não ter priorizado na greve de 2015 a luta pelo Piso Nacional. Naquele momento a tática da direção da APP de reduzir a pauta salarial da greve apenas à negociação da data base deixou o governo à vontade para não pagar o Piso Nacional de 2015. De lá para cá nunca mais tivemos o Piso Nacional. Uma greve como aquela não poderia deixar em segundo plano a luta do Piso.

Em todas as Assembleias durante aquela greve as lideranças da APP Independente fizeram a defesa da necessidade de priorização da luta pelo Piso Nacional.

Não podemos afirmar que se a tática da direção estadual fosse a que defendíamos teríamos vencido a batalha do Piso, mas com certeza, teríamos melhores condições de vitória.

A cada ano que passa a defasagem nossa em relação ao Piso Nacional vai aumentando, o que torna mais difícil reconquistá-lo. Alertamos sobre isto naquela greve.

E agora, o que fazer?

Dia 27 de janeiro teremos Assembleia Estadual para definir os próximos passos da categoria. Para nós da APP Independente, sem o retorno da nossa hora-atividade, sem uma política de correção dos nossos salários que tenha como perspectiva a retomado do nosso Piso, e sem a alteração das medidas que reduziram os salários dos PSSs e puniram os professores doentes na distribuição de aulas NÃO PODEMOS INICIAR O ANO LETIVO.

Somente com a união de toda a categoria em torno de uma greve muito forte poderá restituir a dignidade da nossa profissão. Não podemos amargar um ano pior do que 2017.

APP-Independente