24 de junho de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Bolsonaro tem suas ‘caveiras’ desenterradas em 2018 pela mídia tucana

Bolsonaro tem suas ‘caveiras’ desenterradas em 2018 pela mídia tucana

Dia sim, outro também, a mídia paulistana desenterra uma ‘caveira’ do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ). ... 

Leia mais

18 de fevereiro de 2018
por Esmael Morais
1 Comentário

Bolsonaro lidera no Paraná

A lava jato criou seus ídolos e monstros na “República Paraná”, pois, segundo sondagens na praça, o deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ) lidera a corrida presidencial no estado. ... 

Leia mais

6 de outubro de 2015
por admin
12 Comentários

Coluna do Enio Verri: Agora tem até panfletos pregando ódio de que “Petista bom é Petista morto”

Download

Enio Verri*

Bandido bom é bandido morto? De acordo com pesquisa da Datafolha, encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública e divulgada pela Folha de São Paulo, metade da população brasileira, moradores em municípios com mais de 100 mil habitantes, concordam com a sentença.

De acordo com o documento, a aprovação de metade da população atinge seus maiores índices no Sul (54%), entre os homens (53%), brancos (52%) e com mais de 60 anos de idade (65%), enquanto os menores níveis se encontram entre negros (44%) e pardos (47%) e entre os mais jovens (42%), maiores vítimas de homicídios.

O senso comum, que paira sobre a discussão, difunde-se pelas conversas informais ou até mesmo pelo apoio da mídia, como programas policias, reiterando o conservadorismo e desigualdades vivenciados pelo País. Segundo dados do Mapa da Violência, as principais vítimas de homicídio no País são jovens e negros e pardos.

Trata-se de um senso comum que serve de combustível para os defensores da pena de morte, redução da maioridade penal e portes de arma de fogo, como solução à violência. Claro, quando quem cometeu a ilicitude não seja nenhum familiar ou integrante da classe alta da sociedade.

A reprodução da sentença trafega por uma linha tênue entre a opinião pessoal e discurso de ódio que motivam a ações de “justiceiros”, que cometem abusos aos direitos humanos e a democracia, ao condenar, as vezes com a vida, sem provas ou direito de defesa. Ato, infelizmente, comemorado por uma parcela considerável da sociedade.

Tal atitude não só incita a violência, como eleva o clima de insegurança e os índices de criminalidade, potencializando discriminações, egocentrismo e desconfiança contra instituições e direitos públicos. Observa-se as constantes ofensas propagadas pelos meios online.

Os índices apresentados pelo Datafolha acendem o sinal de alerta para desconfiança e impopularidade dos Poderes Públicos, por parte da população, que prefere “resolver” com as próprias mãos do que esperar justiça ou políticas públicas efetivas.

Cabe a nós, sociedade organizada e esferas governamentais, debruçarmos sobre a realidade da violência urbana, atentando-se as demandas da população para efetuarmos reformas e políticas públicas efetivas e de conscientização que transformem o cenário atual, caminhando para uma sociedade mais justa e igualitária.

*Enio Verri é deputado federal, presidente do PT do Paraná e professor licenciado do departamento de Economia da Universidade Estadual do Paraná. Escreve nas terças sobre poder e socialismo.

Leia mais