Blog do Esmael

A política como ela é em tempo real.

19 de abril de 2018
por esmael
Comentários desativados em Há 38 anos, Lula era preso por defender a democracia

Há 38 anos, Lula era preso por defender a democracia

O velho Marx dizia que a História se repete primeiro como tragédia, depois como farsa… Há 38 anos, Lula era preso pela ditadura por defender a democracia. Leia mais

26 de janeiro de 2018
por esmael
18 Comentários

Veja intensifica campanha pela prisão de Lula para facilitar a vida eleitoral do PSDB

A revista Veja antecipa a capa desta semana apostando na prisão do ex-presidente Lula nos próximos 40 dias. Ela compara graficamente a situação atual a dos anos 80, quando o petista foi preso pela ditadura militar. Leia mais

5 de setembro de 2014
por esmael
5 Comentários

Volkswagem monitorou Lula durante a ditadura militar

via Brasil 247

A Volkswagen espionou ativistas sindicais brasileiros na década dos anos 1980 e passou informações sobre reivindicações salariais e outras discussões privadas à  ditadura militar do país, de acordo com documentos recentemente descobertos que foram vistos pela Reuters.

A montadora monitorou secretamente seus próprios trabalhadores, bem como dirigentes sindicais proeminentes da época. Um dos alvos da Volkswagen foi Luiz Inácio Lula da Silva, que viria a ser presidente do Brasil de 2003 a 2010 e continua sendo um dos políticos mais influentes na cena nacional.

Os documentos foram recentemente descobertos em arquivos do governo por pesquisadores que estão contribuindo com os trabalhos da Comissão Nacional da Verdade (CNV), que investiga abusos ocorridos durante o regime militar de 1964 a 1985 a pedido da presidente Dilma Rousseff.

A Reuters informou no mês passado que a comissão encontrou indícios de que diversas empresas, incluindo a Volkswagen e outras montadoras estrangeiras, ajudaram os militares a identificar ativistas sindicais na década de 1980 para suprimir a agitação trabalhista.

Agora, de acordo com líderes da CNV, 20 páginas de documentos marcados como “confidencial” que a Volkswagen deu aos militares em 1983 e 1984 fornecem a prova ainda mais clara de que algumas empresas foram mais longe, ao recolher de sua própria inteligência informações sobre atividades sindicais para então compartilhar esse material com autoridades.

Nos documentos, a Volkswagen forneceu dados extensos de mais de uma dezena de reuniões sindicais na Grande São Paulo. A empresa retransmitia planos de trabalhadores sobre greves, bem como suas demandas por melhores salários e condições de trabalho.

A empresa divulgou alguns nomes de trabalhadores da Volkswagen que participaram de eventos de sindicato e, em pelo menos dois casos, forneceu a marca e a placa de veículos presentes em atos sindicais.

A Volkswagen também relatou a exibição de um filme com temática socialista na sede de um sindicato; o conteúdo de folhetos distribuídos do lado de fora de sua fábrica e os nomes daqueles que distribuíram os panfletos; e um incidente em que “vários funcionários viciados foram surpreendidos fumando maconha”.

Tais informações foram tipicamente usadas pela polícia para monitorar, constranger e deter sindicalistas na esperança de desencorajar agitações trabalhistas futuras, disse Sebastião Neto, membro da CNV. Ele citou o material que a comissão reuniu a partir do depoimento de trabalhadores que sofreram esse tipo de tratamento.

“Os documentos mostram com clareza excepcional como as empresas esperavam que o governo as ajudasse a resolver problemas com seus trabalhadores”, disse Neto, que está supervisionando a investigação da CNV sobre as relações entre as empresas e os militares.

As empresas podem enfrentar processos cíveis ou demandas de reparação caso sejam consideradas culpadas por terem contribuído para violações de direitos humanos de seus trabalhadores durante a ditadura, segundo afirmam alguns promotores.

Outros duvidam que a prova obtida até agora seja suficiente para levar adiante um processo judicial. Eles dizem que o

11 de dezembro de 2013
por esmael
66 Comentários

Coluna do Ademar Traiano: “Lula, o Barba, era informante do Dops”

Ademar Traiano, principal ideólogo do governo Beto Richa e um dos generais da campanha de Aécio Neves na região Sul, em sua coluna desta quarta, reverbera lançamento do "livro-bomba" de Romeu Tuma Filho pela revista Veja: "Sobre o informante Lula, de codinome 'Barba', Tuma Filho é taxativo: 'O Lula era informante do meu pai no Dops'", escreveu o parlamentar do PSDB, ao acusar o PT de perseguir adversários políticos produzindo dossiês falsos; colunista também volta a repetir, como se fosse um mantra, que ministros paranaenses, dentre os quais Gleisi Hoffmann, agem contra o Paraná no quesito repasses de verbas federais; coloca novamente o jornal Gazeta do Povo, do grupo RPC, no colo dos petistas; Traiano destaca ainda que o governo tucano, do qual ele é líder na Assembleia Legislativa do Paraná, é superior administrativa e moralmente ao de Dilma cuja contribuição maior recebida do PT teria sido o mensalão; leia o texto.

Ademar Traiano, principal ideólogo do governo Beto Richa e um dos generais da campanha de Aécio Neves na região Sul, em sua coluna desta quarta, reverbera lançamento do “livro-bomba” de Romeu Tuma Filho pela revista Veja: “Sobre o informante Lula, de codinome ‘Barba’, Tuma Filho é taxativo: ‘O Lula era informante do meu pai no Dops'”, escreveu o parlamentar do PSDB, ao acusar o PT de perseguir adversários políticos produzindo dossiês falsos; colunista também volta a repetir, como se fosse um mantra, que ministros paranaenses, dentre os quais Gleisi Hoffmann, agem contra o Paraná no quesito repasses de verbas federais; coloca novamente o jornal Gazeta do Povo, do grupo RPC, no colo dos petistas; Traiano destaca ainda que o governo tucano, do qual ele é líder na Assembleia Legislativa do Paraná, é superior administrativa e moralmente ao de Dilma cuja contribuição maior recebida do PT teria sido o mensalão; leia o texto.

por Ademar Traiano*

à‰ preciso ficar vigilante quando um petista apresenta suas contas. Ainda mais porque o Paraná é uma pedra no sapato do PT. O governo Dilma apresenta, em tudo, resultados inferiores ao governo Beto Richa. Exemplos: a produção industrial do Paraná cresceu 13% este ano contra 0,9% do país. O PIB do Paraná fechará 2013 com crescimento de 4,6%. O do Brasil não passará de 2,2%. Leia mais