29 de julho de 2014
por Esmael Morais
22 Comentários

Mercosul deve endurecer posição contra Israel

via Brasil 247

Reunidos em Caracas para a 46!ª Cúpula do Mercosul, os presidentes dos cinco países que formam o bloco, Brasil, Uruguai, Paraguai, Argentina e Venezuela, devem discutir, além de outros temas, o conflito entre Israel e os palestinos na região da Faixa de Gaza. Os representantes das nações devem debater uma posição comum diante dos bombardeios das forças militares de Israel, que deixou mais de 1.000 palestinos mortos, a maioria civis, contra 53 soldados israelenses e três civis.

Israel foi o primeiro país fora da América Latina a ter um Tratado de Livre Comércio com o Mercosul, assinado em 2010. Na opinião do cientista político Emir Sader, chegou o momento de discutir a pertinência desse tratado e de o Mercosul “endurecer” sua posição contra o país, em um boicote aos produtos fabricados por Israel em assentamentos palestinos pelos bombardeios contra Gaza. “Países como Brasil e Uruguai têm um intenso intercâmbio militar com Israel. Coisa absolutamente indevida”, comentou.

“A ideia da condenação de Israel, especialmente pela postura em relação à  Gaza, acho que é algo absolutamente consensual”, acrescenta Sader, ainda sobre o Mercosul. O cientista político avalia como positiva a posição do governo brasileiro em relação a Israel, mas lembra que outros países da América Latina tomaram posições formais “mais duras”. A Argentina e a Venezuela, por exemplo, estão retirando embaixadores e rompendo relações.

O tema de uma resposta do Mercosul a Israel foi sugerido pelo Brasil para ser discutido na cúpula do bloco. Na semana passada, ao chamar de “ação desproporcional” e classificar de “inaceitável” a escalada de violência na região, o País foi chamado de “anão diplomático” pelo porta-voz da chancelaria israelense, Yigal Palmor. A cúpula em Caracas também vem em boa hora para que os países da América do Sul se unam em defesa do Brasil e contra a ofensa de Israel.

Leia mais

15 de julho de 2014
por Esmael Morais
20 Comentários

Dilma na cúpula do Brics: “Estamos entre os que mais cresceram”

do Brasil 247
Em discurso durante sessão plenária da 6!ª cúpula do Brics, que reúne em Fortaleza (CE) mandatários de Rússia, àndia, China e àfrica do Sul, além do Brasil, a presidente Dilma Rousseff afirmou que, com a criação do Novo Banco de Desenvolvimento do bloco e o estabelecimento do Arranjo Contingente de Reservas, os países Brics “ganham densidade e afirmam seu papel no cenário internacional”.

No atual cenário, ressaltou Dilma, uma conjuntura de “grandes oportunidades”, os países do bloco “têm a obrigação de se manifestar, de se fazer escutar, de atuar”. Os membros do grupo “não podem ficar alheios à s grandes questões internacionais”, acrescentou. A presidente reforçou que “estamos não apenas entre as maiores economias do mundo, mas também entre as que mais cresceram nos últimos anos”.

“Somos responsáveis pela mitigação dos efeitos da crise financeira global, e pelo sustentado crescimento da economia mundial”, discursou, lembrando que o “ativismo” do bloco, no entanto, não deve ser confundido com o “exercício de poder hegemônico ou o desejo de dominação”. Entre os temas debatidos na cúpula, disse Dilma, houve o consenso na ideia de que “apesar de uma diminuição no ritmo de seu crescimento, os países emergentes continuam a ser a força motriz”. Segundo a presidente, também foi examinado “o processo de lenta recuperação econômica dos países mais ricos, como os EUA, cuja economia registrou forte contração”.

Dilma finalizou dizendo que o Arranjo de Reservas firmado na cúpula atesta a maturidade da cooperação entre os países do bloco, ao estabelecer fundo de US$ 100 bilhões q apoiará as economias. No encontro, relatou a presidente, o Brasil propôs a criação de uma plataforma conjunta do Brics para o desenvolvimento de metodologias para indicadores sociais e anunciou que nesta quarta-feira haverá a primeira reunião entre os países Brics e países da América do Sul.

Abaixo, reportagem anterior da Agência Brasil:

Daniel Lima e Sabrina Craide – A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (15) que está otimista com a criação do Novo Banco de Desenvolvimento do Brics e de um fundo de reservas para o bloco, que reúne cinco países !“ Brasil, Rússia, àndia, China e àfrica do Sul. Ao sair do hotel onde está hospedada em Fortaleza, para participar da sexta reunião Leia mais