26 de julho de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Doria perde coordenador de campanha, após operação da PF

Doria perde coordenador de campanha, após operação da PF

O economista Roberto Giannetti da Fonseca caiu da coordenação da campanha de João Doria (PSDB) ao governo de São Paulo, nesta quinta (26), após ser alvo da Operação Zelotes da Polícia Federal. ... 

Leia mais

24 de setembro de 2014
por Esmael Morais
21 Comentários

Gaeco investiga coordenador de campanha de Beto Richa em Londrina por suposto golpe de R$ 100 milhões

O vereador e ex-prefeito de Londrina Gérson Araújo (PSDB) é investigado pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) por suposto favorecimento à  construtora Iguaçu do Brasil, suspeita de ter aplicado um golpe milionário na cidade. O vereador e o ex-chefe de gabinete William Polaquini Godoy estiveram na sede do Ministério Público na tarde de segunda-feira (22) para prestar depoimento.

Gérson Araújo coordena a campanha do governador-candidato Beto Richa (PSDB) em Londrina e não é o primeiro dos seus generais a se envolver em falcatruas. O Blog do Esmael noticiou em agosto a prisão do Prefeito de Terra Rica, Mi Molina, que coordenava a campanha de Richa no Noroeste Paranaense.

Sobre o caso de Araújo, o delegado do Gaeco, Ernandes Cézar Alves, explicou que o dono de um terreno, localizado na Avenida Henrique Mansano !“ em frente ao Estádio do Café !“ teria sofrido uma suposta pressão política para que a área fosse negociada com a construtora. Segundo os relatos da suposta vítima, a negociação da venda do terreno para a Iguaçu do Brasil estaria avançada quando foi procurado por Godoy.

O fato teria ocorrido quando Gérson Araújo assumiu o cargo de prefeito de Londrina, após a cassação de Barbosa Neto (PDT) e a prisão seguida de renúncia de Joaquim José Ribeiro (sem partido) em 2012.

Ele [William Godoy] teria entrado em contato para informar que a Prefeitura tinha interesse em desapropriar o terreno. Por conta dessa informação, ele rapidamente fechou negócio com a Iguaçu do Brasil. Nossas investigações seguem no sentido de apurar se esse interesse na desapropriação era legítimo ou se isso foi feito para que a venda do imóvel ocorresse de maneira mais rápida!, explicou o delegado.

O primeiro contato do ex-chefe de gabinete, de acordo com o delegado, foi feito junto aos antigos proprietários do terreno em 23 de novembro de 2012. Poucos dias depois, em 5 de dezembro do mesmo ano, o imóvel foi vendido para a Iguaçu do Brasil. Como o dinheiro prometido não foi pago em sua totalidade, as vítimas procuraram o Gaeco. “O terreno fez parte, efetivamente, do golpe aplicado pela construtora em Londrina”, afirmou o delegado.

Alves não deu detalhes sobre o depoimento dos investigados, mas revelou que Araújo e Godoy negaram qualquer tipo de relação com a construtora. Além disso, o delegado tomou conhecimento de um requerimento assinado pelo vereador sugerindo ao prefeito Alexandre Kireeff (PSD) que solicitasse a desapropriação da área. O documento, porém, não foi protocolado !“ o que teria impedido a tramitação normal do pedido.

via Jornal de Londrina, com adendos.

Leia mais