8 de Abril de 2018
por esmael
Comente agora

Requião expõe “valentia” de coordenador de Bolsonaro; assista ao vídeo

O senador Roberto Requião (MDB-PR) recorreu ao humor para responder ao deputado Delegado Francischini (PSL-PR), coordenador da campanha de Jair Bolsonaro (PSL-RJ), que disse já ter colocado para correr integrantes do MST, petistas e líderes de movimentos sociais. O diabo é que no vídeo publicado por Requião a história é outra: é Francischini quem corre de um professor. Leia mais

6 de Abril de 2018
por Eugênio Aragão
Comente agora

Há 3 anos, Beto Richa reenviava o confisco da previdência para a Assembleia


O começo do segundo mandato de Beto Richa (PSDB) em 2015 foi desastroso para o governador. Embalado pela reeleição, Richa tentava aprovar na Assembleia Legislativa do Paraná um pacote de maldades com aumentos de impostos e taxas, além do confisco de R$ 8 bilhões do fundo de previdência dos servidores. Leia mais

5 de Abril de 2018
por Eugênio Aragão
Comente agora

Há 3 anos, Beto Richa preparava o ‘pacotaço’ de maldades chamado de ajuste fiscal

O dia 05 de abril de 2015 foi um domingo de Páscoa. O governador Beto Richa (PSDB) e seu secretário da Fazenda Mauro Ricardo davam os ajustes finais no “pacotaço” de maldades contra os paranaenses. O conjunto de medidas de arrocho nas contas seria apresentado em mensagem para tramitação na Assembleia Legislativa na terça-feira seguinte. Leia mais

1 de Abril de 2018
por esmael
Comente agora

Abril de 2018. Três anos do covarde massacre dos professores no Paraná

Era uma quarta-feira, 29 de abril de 2015. O Centro Cívico de Curitiba fervilhava. Mais de 50 mil servidores públicos estaduais, a maioria professores, lutavam contra o confisco da poupança previdenciária pelo governador Beto Richa (PSDB). Tensão na Praça Nossa Senhora da Salete. Tensão na Assembleia Legislativa do Paraná. Bummmm! Bummm! Bummm!Comemoração com gritos de “aêêê” e “isso aí” no Palácio Iguaçu. Leia mais

23 de Março de 2018
por Eugênio Aragão
Comente agora

Prefake Doria confisca previdência dos servidores


Quando o assunto é maldade, o governador Beto Richa (PSDB) do Paraná continua fazendo escola. Seu companheiro tucano, pré-candidato ao governo de São Paulo, o prefake Doria, também promoveu o confisco da previdência dos servidores municipais da capital paulista. Leia mais

23 de novembro de 2016
por esmael
32 Comentários

Marqueteiro revela como orientou Beto Richa colocar culpa no PT pelo fiasco de governo no Paraná

richa_massacre_rosaO jornalista Mário Rosa em seu livro “Glória e Vergonha: memórias de um consultor de crises” conta que orientou o governador do Paraná Beto Richa (PSDB), após o massacre de professores em 29 de abril de 2015, a dissipar a crise colocando a culpa no PT.

3 de novembro de 2015
por admin
4 Comentários

Coluna do Enio Verri: Paraná é o tubo de ensaio das maldades de Beto Richa

Enio Verri*

Como em um tubo de ensaio o governador Beto Richa (PSDB) continua experimentando seus pacotes de maldades com o povo paranaense. Em uma brincadeira para lá de mau gosto, continua vendendo a imagem de um Estado próspero ao passo que anuncia tarifas absurdas e o fechamento de instituições públicas.

Sob os efeitos de milhões de reais gastos em publicidade – enquanto o Paraná convive com dificuldades financeiras que levaram ao anúncio de cortes de investimentos – o governador ultrapassa a má avaliação de seus companheiros Álvaro Dias e Jaime Lerner.

No mesmo caminho trilhado pelos dois ex-governadores, Richa não mede esforços para beneficiar aliados ao mesmo tempo em que penaliza a população e servidores públicos. Para os investidores, a abertura das estatais para o mercado financeiro. Para o funcionalismo, cavalaria e promessas não cumpridas.

O desrespeito é cada dia mais nítido. Sem pudor algum, o governador publicita suas maldades sem nenhuma preocupação com os impactos na vida dos paranaenses. E pior! Utiliza-se de jogo de cena, quando confrontado pela população, transferindo a responsabilidade a terceiros e encontrando formas alternativas para aprovar suas vontades.

Não é diferente com o fatídico dia 29 de abril, quando sob a pressão do funcionalismo, lançou bombas, tropa de choque, entre outros instrumentos de guerra contra professores. Nem mesmo os pedidos de lideranças políticas foram suficientes para a desistência de apropriar-se do fundo de aposentadoria dos servidores paranaenses.

Em cena hollywoodiana, Richa não só jogou bombas e agrediu professores, como ainda enganou os servidores ao não cumprir com os reajustes estabelecidos em lei. No mesmo caminho, promoveu campanha difamatória, colocando a população contra os grevistas, enfraquecendo a luta por uma educação de qualidade.

Repetindo os mesmos instrumentos, utilizou-se de todo seu poder midiático para ludibriar os paranaenses no que condiz com a democracia nas escolas. Após “abandonar” o anseio na indicação política para diretor de escola estadual, aprovou uma lei que atrela

10 de Maio de 2015
por esmael
38 Comentários

PSD orienta Sciarra a deixar “urgentemente” o governo Beto Richa

psd_psdbIntegrantes da direção estadual do PSD sugeriram ao chefe da Casa Civil, Eduardo Sciarra, que entregue o cargo ao governador Beto Richa (PSDB). Os correligionários do pessedista temem que ele seja o próximo alvo de campanha de fritura, por causa do massacre dos professores, que levaram à demissão de Fernando Francischini (Segurança), Fernando Xavier (Educação) e César Kogut (PM).

Na Assembleia Legislativa, os dois principais deputados do partido — Chico Brasileiro e Ney Leprevost — já perfilam ao lado da oposição desde o início da legislatura em fevereiro. A bancada do PSD tem três parlamentares.

Nas redes sociais e no Centro Cívico, o chefe da Casa Civil já é “carinhosamente” chamado de Eduardo “Mete Bomba” Sciarra — em alusão à denúncia do deputado Tadeu Veneri (PT), líder da oposição, que da tribuna da Assembleia afirmou ter ouvido o secretário de Richa orientar “Mete mais bomba, mete mais bomba”.

No último dia 29 de abril, durante a votação no projeto que confisca a poupança previdenciária dos servidores, a PM atirou bombas, balas de borracha, gás lacrimogêneo e atiçou cães em manifestantes por mais de duas horas. Logo após o massacre, Beto Richa acusou professores e funcionários públicos de serem “black blocs”. Uma semana depois, arrependido, o tucano afirmou que foi “quem mais sofreu” com a surra nos educadores.

Pois bem, a cogitada saída de Sciarra do governo tem como objetivo 2018. “Mete Bomba” é lembrado para uma dobradinha, provavelmente na vice, com o senador Álvaro Dias (PSDB) visando o Palácio Iguaçu.