URGENTE: Câmara vota proposta da reforma eleitoral; acompanhe ao vivo

Deputados articulam CPI para investigar possível ilegalidade na compra de vacinas

As denúncias feitas pelo deputado Luís Miranda (DEM-DF) sobre o esquema de corrupção na compra da vacina Covaxin deve estender as investigações feitas pelo Senado para a outra casa legislativa.

Deputados da oposição estão articulando a coleta de assinaturas para implantação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na casa exclusivamente para investigar a aquisição de vacinas pelo governo Jair Bolsonaro (sem partido).

LEIA TAMBÉM

Ao vivo CPI da Covid no Senado [acompanhe]

Um dos pedidos de criação da CPI das Vacinas foi protocolado pelo deputado Reginaldo Lopes (PT-MG). Na justificativa, o parlamentar afirma que a investigação correrá em paralelo aos trabalhos da comissão instalada no Senado.

“O Senado Federal já cumpre um importante papel na condução da CPI da Covid. Assim, o papel da Câmara dos Deputados será, através da Comissão Parlamentar de Inquérito, concentrar-se em elucidar especificamente o tratamento que o governo federal teve em relação aos imunizantes desde o início da pandemia. Diante destes e de outros fatos que vem sendo revelados e precisam de aprofundamento nas investigações e apurações, requeremos que Vossa Excelência determine a imediata criação e instalação da CPI DAS VACINAS”, escreve Lopes no documento.

O deputado agora busca a adesão de ao menos outros 171 parlamentares, número mínimo de assinaturas necessárias para instalação da comissão.

No pedido, Lopes cita “as denúncias do deputado Luis Miranda (DEM-DF) e seu irmão, o servidor Luis Ricardo Miranda, sobre o superfaturamento na compra da vacina indiana Covaxin, que já mostraram ao país um outro lado da inexplicável e errática atuação do governo federal na compra de vacinas: supostos esquemas de corrupção na importação governamental dos imunizantes”.

O autor do requerimento ainda cita o envolvimento do líder do governo na casa, o deputado Ricardo Barros (PP-PR), e a ligação dele com a Precisa Medicamentos, empresa que intermediou a compra superfaturada da Covaxin pelo Ministério da Saúde.

Do Brasil de Fato