Efeito Bolsonaro: Desemprego dispara entre maio e junho em todo país

Pesquisa divulgada nesta sexta-feira (17) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra a escalada do desemprego entre maio e junho em todo país, atingindo o índice alarmante de 26% de um mês para o outro – o que totaliza 12,4 milhões de brasileiros sem trabalho.

“A população desocupada e em busca de ocupação aumentou 26%, em comparação com a primeira semana de maio”, relata a coordenadora da pesquisa, Maria Lúcia Vieira.

O IBGE ainda revelou que 675 mil desses trabalhadores perderam o emprego só na última semana de junho. Por isso, a taxa de desemprego do Brasil avançou de 10,5% para 13,1% entre maio e junho, mas saiu de 12,3% para 13,1% só nas duas últimas semanas de junho.

Especialistas dizem, contudo, que essa taxa ainda pode crescer mais nos próximos meses. Afinal, muita gente tem dito que gostaria de trabalhar, mas não está procurando emprego devido à crise e às medidas de distanciamento social impostas pela pandemia. Segundo o IBGE, cerca de 17,8 milhões de brasileiros se encaixam nessa situação.

LEIA TAMBÉM:

Auxílio emergencial de R$ 600 veio para ficar até 2022, diz diretor da Paraná Pesquisas

PSOL cobra explicação do diretor-presidente da ANS sobre fim da obrigação de planos de saúde realizarem teste de Covid-19

Folha e Globo “comunistas” falam em taxar o patrimônio privado para pagar pandemia de Covid-19

O avanço do desemprego também foi constatado com o recuo na população ocupada, que ficou abaixo de 50% pela primeira vez na história durante a pandemia do novo coronavírus. Segundo o IBGE, o nível de ocupação caiu de 49,4% para 48,5% entre maio e junho. Ou seja, de 84 milhões para 82,5 milhões de pessoas.

Portanto, além dos efeitos da pandemia da Covid-19 no conjunto da economia, o governo Bolsonaro e a política econômica de Paulo Guedes favorecem a escalada do desemprego no país.