Tacla Duran x Moro x Bolsonaro

O ex-advogado da Odebrecht, Rodrigo Tacla Duran, voltou ao noticiário esta semana. Ele está prestes a celebrar um acordo com a PGR sobre a delação que atinge o compadre do ex-ministro Sérgio Moro, o advogado Carlos Zucolotto.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, decidiu desengavetar uma delação que ferra de verde e amarelo a República de Curitiba.

Com dupla cidadania, Tacla Duran vive na Espanha. Desde 2018, quando teve ordem de prisão expedida pela Lava Jato, o advogado tem disparado pelo Twitter.

Em 2017, o ex-advogado da Odebrecht chegou a depor numa CPI da JBS no Congresso Nacional e fez sevaras acusações contra o então juiz Sérgio Moro e seu amigo Zucolotto.

Rodrigo Tacla Duran jura que deu dinheiro a Zucolotto para obter vantagens em seu acordo de delação premiada com a Lava-Jato em 2016.

O ex-advogado foi visitado na Espanha, em 2017, pelo deputado Paulo Pimenta (PT-RS) e o ex-deputado Wadih Damous (PT-RJ). Na época, eles saíram do encontro convencidos de que integrantes lava jato agiam como uma organização criminosa ao condicionar as delações a determinados advogados amigos da força-tarefa.

Sérgio Moro é considerado um dos três players para as eleições de 2018. Segundo institutos de pesquisas, além do PT, ele é um dos possíveis nomes para derrotar a reeleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

LEIA TAMBÉM

Zucolotto, compadre de Moro, agora atua em Brasília

Tacla Duran denuncia “sumiço” de processo na lava jato

Tacla Duran atira pelas redes sociais

Ao vivo: Tacla Durán depõe na Câmara

Lava Jato: PGR ignora denúncia de Tacla Durán há 167 dias

Moro reclama do populismo do qual se locupletou na Lava Jato

O ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, em artigo no Globo, declara guerra ao populismo do qual abusou durante o período em que foi juiz da Lava Jato.

O populismo penal da força-tarefa restou evidente em todas as fases, nos últimos seis anos, o que gerou questionamentos sobre a legalidade das operações e das sentenças judiciais delas decorrentes.

O que dizer do famoso powerpoint de Deltan Dallagnol, que, mais tarde, somente na convicção e sem provas, fundamentou a prisão política do ex-presidente Lula?

A esse respeito o petista comentou mais tarde à luz do inquérito que agora investiga Moro no Supremo Tribunal Federal:

“As mesmas razões apresentadas no presente por Moro no exercício do seu próprio direito de defesa reforçam a necessidade de o sistema de Justiça corrigir os erros do passado, causados pelo próprio Moro.”

De acordo com a literatura política mundial, existem três tipos de populismo: o populismo-autoritário, o neopopulismo e o populismo não-autoritário.

Moro se enquadra no populismo-autoritário cujo subproduto é o populismo penal, aquele que prende e arrebenta, que tem a prisão como fetiche e vê na limitação da liberdade do indivíduo a panaceia para todos os males sociais.

O populismo penal de Moro e dos lavajatistas é uma praga que corrói o Estado Democrático de Direito.