Frente Ampla: Manifesto ‘Estamos Juntos’ reúne lideranças políticas, intelectuais, artistas e religiosos

Compartilhe agora

Um manifesto com o título “Estamos Justos” foi lançado neste fim de semana e publicado nos principais jornais do país. O documento reúne mais de 2000 signatários em defesa da vida, da liberdade, e da democracia no Brasil, condenando o projeto golpista do presidente Jair Bolsonaro.

O “Estamos Juntos” abarca um amplo espectro político e ideológico e se inspira no movimento pelas “Diretas Já”. Entre os signatários estão nomes como Luciano Huck (apresentador de TV), Flávio Dino (governador do Maranhão), Fernando Haddad (candidato presidencial do PT em 2018), Fernando Henrique Cardoso (ex-presidente), Fernanda Montenegro (atriz), Antonio Fagundes (ator), Marcos Nanini (ator), Paulo Coelho (escritor), Fernando Meirelles (cineasta), Oded Grajew (empresário), Luiza Erundina (deputada PSOL), Maria Alice Setúbal (educadora e acionista do Itaú), Cristovam Buarque – ex-senador (PPS), Jean Willys (ex-deputado Psol), Nelson Jobim (ex-presidente do STF), Celso Lafer (ex-ministro das Relações Exteriores do governo FHC), Tostão (ex-jogador de futebol e comentarista esportivo), Walter Casagrande (ex-jogador de futebol e comentarista esportivo), Vahan Agopyan (reitor da USP), Marcos Palmeira (ator), Eliane Brum (jornalista), João Paulo Capobianco (SOS Mata Atlântica), Frei Betto (escritor), Lobão (cantor e composiotor) -, entre outros.

O manifesto explicita que “como aconteceu no movimento Diretas Já, é hora de deixar de lado velhas disputas em busca do bem comum. Esquerda, centro e direita unidos para defender a lei, a ordem, a política, a ética, as famílias, o voto, a ciência, a verdade, o respeito e a valorização da diversidade, a liberdade de imprensa, a importância da arte, a preservação do meio ambiente e a responsabilidade na economia“.

LEIA TAMBÉM:

Datafolha: Bolsonaro tem apoio de 56% do empresariado e recebe ‘cartão vermelho’ dos trabalhadores

Requião defende ‘lockdown’ para todo o País; assista

Datafolha contra o Centrão

O manifesto aponta ainda que seus signatários defendem “uma administração pública reverente à Constituição, audaz no combate à corrupção e à desigualdade, verdadeiramente comprometida com a educação, a segurança e a saúde da população“.

O amplo espectro ideológico do manifesto é explicitado no reconhecimento de que os signatários “possuem ideias e opiniões diferentes, mas comungam dos mesmos princípios éticos e democráticos“, e que “querem combater o ódio e a apatia com afeto, informação, união e esperança“.

O Movimento “Estamos Juntos” pretende impulsionar uma campanha na sociedade para barrar a escalada do autoritarismo e do golpismo, reunindo a chamada “frente ampla” democrática.