Ao vivo: reforma da previdência e enterro da aposentadoria

Publicado em 22 outubro, 2019
Compartilhe agora!

A votação em 2º turno da diabólica reforma da previdência pelo plenário do Senado, nesta terça-feira (22), simbolicamente é o enterro da aposentadoria dos brasileiros.

O texto-base do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) foi aprovado na manhã de hoje, em sessão relâmpado, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

O que pretendem os senadores ligados ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) e ao ministro da Economia, Paulo Guedes? Transformar o Brasil num Chile, Argentina ou Equador, de acordo como senador Renan Calheiros (MDB-AL). Os três países quebrados pelo modelo neoliberal que privilegia os bancos e os ricos em detrimento do povo.

Dentre as diabólicas medidas da reforma da previdência estão:

– fixação de uma idade mínima (65 anos para homens e 62 anos para mulheres) para a aposentadoria;

– extinção da aposentadoria por tempo de contribuição;

– valor da aposentadoria a partir da média de todos os salários (em vez de permitir a exclusão das 20% menores contribuições);

LEIA TAMBÉM

Gleisi Hoffmann: ‘Queda de homicídios é reflexo do trabalho de Dilma Rousseff’

No Japão, com agenda vazia, Bolsonaro faz turismo ao lado de Hélio Negão

Os senadores que traíram o povo na reforma da previdência; confira a lista

– elevação das alíquotas de contribuição para quem ganha acima do teto do INSS (hoje em R$ 5.839,00);

– regras de transição para os trabalhadores em atividade;

– cumprida a regra de idade, a aposentadoria será de 60% com o mínimo de 15 anos de contribuição; e

– aposentadoria com 100% só com 25 anos de contribuição para mulheres e 40 para homens.

Bolsonaro e Guedes querem confiscar a poupança previdenciária dos trabalhadores brasileiros para concentrar esse dinheiro, quase um trilhão de reais, nas mãos de meia dúzia de bancos privados.

Compartilhe agora!