23 de maio de 2018
por editor
Comentários desativados em Requião lança pré-candidatura à presidência com discurso no Senado; assista

Requião lança pré-candidatura à presidência com discurso no Senado; assista

O senador Roberto Requião (MDB-PR) fez um discurso no Senado na tarde desta quarta-feira (23) se lançando pré-candidato à presidência da República. Ele definiu a própria plataforma como nacionalista, refutando a “Ponte para o Futuro” do ilegítimo Michel Temer e dos golpistas de 2016. O senador parece disposto a disputar não só o espaço político, mas a orientação ideológica dentro de seu partido. ... 

Leia mais

12 de fevereiro de 2018
por Esmael Morais
1 Comentário

Temer não tem objetivo de desenvolvimento

O jornalista e economista J. Carlos de Assis escreve que a regressão política brasileira, após o golpe de Estado de 2016, pôs a perder o projeto de desenvolvimento liderado pelo Brasil em toda a América Latina.  ... 

Leia mais

3 de janeiro de 2018
por Esmael Morais
7 Comentários

Temer: O desemprego continua em 2018

O governo Michel Temer informa que o desemprego continuará alto em 2018, segundo o Boletim Focus do Banco Central. ... 

Leia mais

18 de novembro de 2017
por Esmael Morais
11 Comentários

Governador Beto Richa lança versão tucana da ‘ponte para o futuro’ no Paraná

O governador Beto Richa (PSDB) é uma peça, pois, esta semana, ele inovou ao lançar a versão tucana da ‘ponte para o futuro’, isto é, para 2018. Leia mais

26 de novembro de 2016
por Esmael Morais
15 Comentários

Requião: Geddel acusado de interferir no espigão sai, Serra acusado de recebe R$ 23 milhões fica?

requiao_serra_propinaO senador Roberto Requião (PMDB-PR) não poupou os tucanos ao criticar a seletividade da mídia nos casos de corrupção envolvendo o governo Michel Temer (PMDB). “Geddel acusado de interferir em espigão sai, o outro acusado de receber US$ 23 mi fica?”, fuzilou o parlamentar ao referir-se à queda do ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e a permanência “intacta” do ministro do PSDB José Serra (Relações Exteriores), mesmo acusado de ser beneficiado por propina de R$ 23 milhões da Odebrecht. Leia mais

13 de novembro de 2016
por Esmael Morais
11 Comentários

Requião: eleição de Trump arrebenta as asneiras de Macri, na Argentina, e a ponte de Temer no Brasil; assista

requiao_trumpO senador Roberto Requião (PMDB-PR) em vídeo postado em seu Facebook disse neste domingo (13) que, apesar de sua boçalidade, Donald Trump foi eleito porque prometeu proteger os empregos dos norte-americanos. E, ao buscar essa solução, analisa Requião, arrebenta com as asneiras neoliberais de Maurício Macri, na Argentina, e a “Ponte para o Futuro” de Michel Temer (PMDB) no Brasil. Abaixo, assista ao vídeo. Leia mais

2 de outubro de 2016
por Esmael Morais
52 Comentários

Michel Temer, o maior derrotado nas eleições municipais deste domingo

pmdb_2016O ilegítimo presidente Michel Temer (PMDB) tende a confirmar-se como o maior derrotado nas eleições deste domingo (2). Erroneamente, achava-se que PT e a esquerda ficariam com o “troféu abacaxi”. Ledo engano. Leia mais

29 de julho de 2016
por Esmael Morais
27 Comentários

Em editorial, Estadão declara guerra contra os direitos dos trabalhadores do Brasil

estadao_centrais_temerA velha mídia já definiu que estará do lado dos patrões e dos golpistas na luta pela retirada dos direitos trabalhistas. Em asqueroso editorial, o Estadão ataca nesta sexta (29) o sistema sindical, que desenha resistência unitária à “ponte do futuro” do interino Michel Temer (PMDB). Leia mais

20 de junho de 2016
por Esmael Morais
107 Comentários

Oi, ícone da privatização tucana, pede recuperação judicial R$ 65 bilhões

temer_renan_privatizacao_psdbO modelo de privatização de estatais na era Fernando Henrique Cardoso, enaltecido pela mídia e os partidos de direita durante os anos 90, deu seu último suspiro com o anúncio da dívida de R$ 65 bilhões da telefônica Oi e o consequente pedido de recuperação judicial. Dentre os credores está a “viúva”, isto é, o BNDES. Leia mais

3 de maio de 2016
por admin
4 Comentários

Golpe de Estado é para tirar direitos dos trabalhadores

golpees

Um alerta sobre os reais sentidos e objetivos do processo de impeachment movido pela oposição de direita, apoiado pela Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) e outras entidades empresariais, contra a presidenta Dilma Rousseff (PT). O deputado federal Enio Verri (PT) lista em sua coluna semanal uma série de projetos que visam retirar da Lei garantias básicas aos trabalhadores como a idade mínima para o trabalho, combate ao trabalho escravo, tempo de descanso e alimentação, além liberar as terceirizações. Leia e ouça a seguir.  Leia mais

1 de maio de 2016
por admin
5 Comentários

Salário mínimo e CLT em risco

minimo

Enquanto o salário mínimo regional é novamente reajustado, seguindo a política de valorização, o salário mínimo nacional e os direitos trabalhistas estão em risco com a possibilidade de Michel Temer (PMDB) assumir a Presidência da República. É o que diz o deputado estadual Luiz Cláudio Romanelli (PSB), em sua coluna semanal excepcionalmente publicada neste domingo, 1º de Maio. Romanelli foi secretário do Trabalho e até hoje lidera a iniciativa de valorização do piso regional. Leia e ouça a seguir.  Leia mais

12 de abril de 2016
por Esmael Morais
11 Comentários

Senador Requião “vaza” carta contra golpe do vice Temer

Carta aos Governadores e Deputados Federais,

À margem de ideologias e de querelas político-partidárias, o governo ou governos anunciados para depois do impeachment prenunciam consequências econômicas e sociais desastrosas para a sociedade brasileira. Já vivemos a maior crise econômica de nossa história, com uma contração da economia de cerca de 8% em dois anos, e a perspectiva concreta de taxas de desemprego sem precedentes levando a um progressivo estágio de degeneração social com conflitos no campo e nas cidades, e de convulsões sociais generalizadas.

A maioria dos Estados está literalmente falida. Salários de servidores estão sendo cortados ou adiados, obras públicas estão sendo paralisadas, funções fundamentais dos governos estaduais tem sido canceladas. É preciso reconhecer com franqueza que a crise se deve sobretudo à política econômica adotada a partir de 2015 na forma de um ajuste fiscal absolutamente injustificável no contexto de uma depressão econômica. Embora involuntariamente, a operação Lava Jato também contribuiu para o agravamento da crise.

Mas o impeachment, isoladamente, não resolverá esses problemas. Da mesma forma a derrota do impeachment, sem outras consequências, não os resolverá. O fato é que temos uma estreita margem de manobra entre uma alternativa e outra. A derrota do impeachment dará à Presidenta Dilma uma oportunidade de rever sua política conforme a demanda universal daqueles que lhe dão apoio. A aprovação do impeachment, por sua vez, pela palavra de seus proponentes principais, significará um aprofundamento do ajuste depressivo.

A Ponte para o Futuro pregada pelo PMDB de Temer é um pacto regressivo que visa a destruir os direitos sociais básicos conquistados pelo povo brasileiro em 88. Mais grave ainda é a política fiscal anunciada pelo senador José Serra, sob forma de projeto de lei congelando o teto da dívida pública e portanto impedindo a realização de investimentos deficitários em tempos de recessão e depressão. A consequência direta disso seria a quebra definitiva dos Estados, estrangulados que estão pela draconiana Lei de Responsabilidade Fiscal, que ele considera cláusula pétrea.

A síntese da crise se manifesta na questão fiscal, ainda manejada segundo os cânones neoliberais, de interesse exclusivo dos especuladores financeiros. A desorganização orçamentária do Governo federal e dos Estados reflete a quebra da soberania nacional em questões financeiras. A política econômica brasileira, com exceção dos anos 2009 e 2010, renunciou voluntariamente ao crescimento. A despeito de recessão e da depressão, nos recusamos a recorrer ao investimento deficitário e ao aumento temporário da dívida, embora sabendo que, numa depressão, a única Leia mais

30 de março de 2016
por Esmael Morais
20 Comentários

Senador Requião detona “ponte para o futuro” golpista do PMDB

Ponte para o futuro: análise das consequências das 30 propostas do documento do PMDB para o Brasil

Estudo do gabinete do senador Roberto Requião (PMDB-PR)

Este resumo é dividido em duas partes. A primeira contém uma nova lista de propostas complementares que deverão ser incluídas no documento original, pela Fundação Ulysses Guimarães, de Moreira Franco, segundo o jornal Estado de São Paulo. A segunda é a lista de propostas originais.

a) Novas propostas que vão ser incluídas no documento Ponte para o futuro

Neste domingo, 27 de março, o jornal O Estado de São Paulo publicou novas propostas complementares ao documento Uma Ponte para o Futuro, também coordenadas pelo Moreira Franco.

1) Fim ou severa restrição aos subsídios da política industrial e de comércio exterior brasileira. Ou seja, o objetivo é acabar com as políticas que visam desenvolver e impedir maior desindustrialização do Brasil.

2) Henrique Meirelles ou Armínio Fraga no Ministério da Fazenda.

3) Não usar mais o excesso de rendimento do FGTS como fonte de recursos a “fundo perdido” para subsidiar e financiar o programa Minha Casa, Minha Vida. A razão disso é que o dinheiro do FGTS seria propriedade do trabalhador e não deveria ser usado para fazer política pública. Na prática, isso levaria a um desemprego em massa na indústria da construção civil, e muito menos pessoas teriam acesso à casa própria

4) Estender o Pro-Uni para o ensino médio com o objetivo de privatizar de forma muito mais generalizada o ensino médio.

5) Limitar o Pronatec, que é um sistema de bolsas de ensino, para cursos profissionalizantes rápidos para a camada mais pobre da população e que tem muita dificuldade material e não-material de realizar cursos profissionalizantes tradicionais que são extensos, dispendiosos ou focados para jovens com bom embasamento educacional.

6) Limitar as concessões de empréstimos estudantis pelo FIES. O objetivo declarado é gerar mais “meritrocracia”. Na prática, isso significa que milhões e milhões de jovens deixarão de ter acesso à universidade.

7) Concentrar os programas sociais apenas nos mais miseráveis, os 10% mais pobres, que vivem com menos de 1 dólar por dia.

8) “Intervenção no SUS”. Não sabem o que fazer com ele, só dizem que está sem controle e que precisa ser “reorganizado”. Na prática, certamente são desculpas para justificar a redução dos repasses orçamentários para o Ministério da Saúde. A “reorganização” é só uma forma de descobrir como fazer o SUS funcionar pelo menos precariamente com menos recursos. Ou seja, descobrir quem vai chora Leia mais

Esmael Morais 2009-2018. O Blog do Esmael é liberto das excludentes convenções mercantis Copyright ©. O site não cobra pelos direitos autorais, portanto, pode e deve ser reproduzido no todo ou em parte, além de ser liberado para distribuição desde que preservado seu conteúdo e o nome do autor. | A política como ela é em tempo real.

Topo