19 de agosto de 2014
por Esmael Morais
46 Comentários

Apertado por Bonner, Pastor Everaldo ataca PT e promete privatizar o Brasil

"O petróleo é nosso, mas a Petrobras não. Vou privatizar a Petrobras, Caixa e Banco do Brasil", disse o pressionado Pastor Everaldo, que acabou "saindo do armário" para atacar o PT. Enfim, William Bonner e Patrícia Poeta ficaram felizes. Candidato do PSC também se posicionou a favor da família! e contra o casamento gay.

“O petróleo é nosso, mas a Petrobras não. Vou privatizar a Petrobras, Caixa e Banco do Brasil”, disse o pressionado Pastor Everaldo, que acabou “saindo do armário” para atacar o PT. Enfim, William Bonner e Patrícia Poeta ficaram felizes. Candidato do PSC também se posicionou a favor da família! e contra o casamento gay.

O candidato do PSC à  Presidência da República, Pastor Everaldo, apertado por William Bonner, prometeu em entrevista ao Jornal Nacional que vai privatizar a Petrobras, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. ... 

Leia mais

16 de julho de 2014
por Esmael Morais
10 Comentários

Datafolha deverá mostrar quadro inalterado na disputa pela Presidência, diz especialista

Datafolha divulga nas próximas horas nova rodada de pesquisas já captando o humor do eleitorado com o término da Copa no Brasil; diretor-presidente da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, acredita em cenário inalterado em relação à  última sondagem há duas semanas.

Datafolha divulga nas próximas horas nova rodada de pesquisas já captando o humor do eleitorado com o término da Copa no Brasil; diretor-presidente da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, acredita em cenário inalterado em relação à  última sondagem há duas semanas.

O diretor-presidente da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, aposta em estabilidade no quadro eleitoral em sondagem do Datafolha que deverá ser divulgado nas próximas horas. ... 

Leia mais

6 de junho de 2014
por Esmael Morais
10 Comentários

Campos pode sair menor do que entrou na eleição; ele continua?

do Brasil 247
A pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (6) coloca o presidenciável Eduardo Campos (PSB) em uma posição, no mínimo, delicada. Campos, que na pesquisa anterior tinha 11% das intenções de voto, despencou para 7% e, agora, aparece tecnicamente empatado com o Pastor Everaldo Pereira (PSC), que registra 4% do eleitorado. A presidente Dilma Rousseff (PT) continua liderando as pesquisas, embora tenha caído de 37% para 34%. Já o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) passou de 20% para 19%. A tendência atual para Campos não é boa nem mesmo em Pernambuco. Ali, embora tenha deixado o Governo do Estado como o mais bem avaliado governador do país, seu indicado para disputar o Palácio do Campo das Princesas, o ex-secretário da Fazenda Paulo Câmara, está bem atrás do senador Armando Monteiro Neto (PTB). Dilma também aparece tecnicamente empatada com Campos em sua terra natal, o que tem elevado ainda mais a temperatura interna no PSB.

As pesquisas refletem um determinado momento e uma tendência que podem ou não ser revertidas. Neste momento existe um arrefecimento da campanha de Eduardo, tanto em nível nacional como em Pernambuco. O Eduardo superdimensionou a aliança com a Marina [ex-senadora Marina Silva pré-candidata a vice na chapa do PSB]. Este erro de superdimensionar o potencial foi cometido por nós mesmos do PT, em 2012, quando cometemos este erro com Humberto Costa e João Paulo!, analisa um integrante da cúpula petista.

A referência diz respeito a eleição municipal de 2012, quando o senador Humberto Costa e o deputado federal !“ hoje pré-candidato ao Senado na chapa do PTB !“ João Paulo foram colocados para disputar uma chapa puro sangue do PT e acabaram derrotados pelo então desconhecido Geraldo Julio (PSB), indicado pelo então governador Eduardo Campos, impondo o fim de um ciclo de 12 anos do PT à  frente da Prefeitura do Recife.

Quando anunciada a aliança entre a Rede Sustentabilidade da ex-senadora Marina Silva e o PSB, a união foi vista como um fenômeno surpreendente na política nacional. Marina chegava com o saldo de 20 milhões de votos da última disputa presidencial e uma rusga profunda com o PT, partido que ajudou a fundar. Já Campos vinha de um governo considerado como um dos mais bem avaliados do país, além de se apresentar como um fato novo no cenário político. A expectativa era de com a aliança, parte do capital político de Marina fosse transferido quase que automaticamente para o socialista, algo que ainda não aconteceu.

Neste momento, Campos tem menos chances que o ex-correligionário Ciro Gomes, que tinha 17,5% das intenções de voto em 2010, conforme pesquisa CNT/Sensus, e que foi obrigado a desistir em prol da aliança do PSB com o PT em torno do palanque que levou Dilma à  Presidência. Ele também fica atrás de Anthony Garotinho, que hoje está filiado ao PR, mas foi pré-candidato à  Presidência pelo PSB em 2 Leia mais