Requião Filho: Quando as mulheres serão respeitadas?

► Todos os dias, assistimos calados a inúmeros tipos de violência contra a mulher. Até quando?

Por Requião Filho*

Sequestrar e tatuar o rosto da ex-namorada, com seu nome e sobrenome; perseguir a ex-companheira na rua, em plana luz do dia, na frente dos filhos, e depois esfaqueá-la; esperar a ex-namorada sair da faculdade e matá-la; contratar atirador para matar a ex-esposa quando ela está abrindo o portão de casa; jogar a namorada do 32º andar, ou a esposa do 4º andar do apartamento, depois de agredi-la….

Os casos acima são apenas alguns tristes exemplos da crueldade contra as mulheres que estamos vendo dia-a-dia. Violência, muitas vezes, registrada por câmeras de segurança ou de celulares, violência que nos revira o estômago, que nos mostra o quão desigual e cruel é a sociedade, o quanto ainda precisamos avançar – ou no mínimo parar de retroceder – como seres humanos, que expõe a insegurança que as mulheres enfrentam e a certeza da impunidade de seus algozes.

A sociedade caminha para trás, enquanto discursos machistas ganham força, e as mulheres vão ficando cada vez mais subjugadas, descartas, desprezadas.

Os agressores não podem ficar impunes, devem sim ser punidos exemplarmente, mas o respeito às mulheres deve começar desde cedo, a partir do exemplo dentro de casa e logo no primeiro dia dentro das escolas.

Esses homens que agridem e matam esquecem que foram gerados por uma mulher, que tiveram desde os primeiros dias de vida os cuidados de uma mulher, frequentaram creches e escolas nas quais mulheres se dedicaram em cuidados e ensinamentos, não é crível que agora, na vida adulta, não as respeitem.

Educação é sempre a melhor alternativa para uma sociedade mais justa e segura para todos e nós homens. Temos o dever e um grande compromisso de repudiar publicamente atos de violência contra a mulher e lutar para que todas possam viver de forma livre e plena.

Veja também  Sistema financeiro usou golpe contra Dilma para sequestrar o orçamento do País, dizem economistas

*Requião Filho, advogado, é deputado estadual pelo PT do Paraná.