Confusão pouca é bobagem em Colombo (PR)

Os vereadores Pelé, Michele e Waldirlei podem se eleger presidente da Câmara e assumir a prefeitura interinamente a partir de 1!º de janeiro.
Os vereadores Pelé, Michele e Waldirlei podem se eleger presidente da Câmara e assumir a prefeitura interinamente a partir de 1!º de janeiro.
Pense em um município onde política é sinônimo de confusão. Se à  sua cabeça veio Colombo, que fica na região metropolitana de Curitiba, o oitavo maior colégio eleitoral do Paraná, você pode se considerar um cara muito antenado.

Com 122 mil eleitores, o novo prefeito colombense só será conhecido no próximo dia 1!º de janeiro de 2013, quando a Câmara Municipal, depois de empossada, escolherá o seu presidente que assumirá a prefeitura interinamente. O interino ficará no cargo até o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) definir nova eleição. Não espere um novo confronto nas urnas para logo. Isso deverá ocorrer somente no final de 2013 !“ se ocorrer.

à‰ bom recordar que a ex-deputada Beti Pavin (PSDB) obteve 51,5% dos votos no último dia 7 de outubro, mas foi barrada pela Lei da Ficha Limpa e não pôde ser diplomada. Seus votos foram considerados nulos pelo TSE. A bronca tem a ver com reprovação de suas contas de 2001, quando ela era prefeita da cidade.

Correligionários da tucana, tal qual a profecia dos Maias que apostava no fim no mundo, ainda acreditam adquirir uma liminar com antecipação de tutela! para que ela possa assumir no dia 1!º. No entanto, é mais crível que Beti Pavin assista ao bonde passar, ou seja, a Câmara indicando o novo prefeito interino.

Para manter o exército tucano mobilizado, partidários de Pavin lançam boatos de que ela será empossada no dia 1!º; se não ocorrer; no próximo dia 6; ou ainda no dia 15 de janeiro. O problema é que a Constituição Federal estabelece a todos os prefeitos eleitos do país o dia 1!º de janeiro. Seria um privilégio que os demais 5 mil prefeitos não teriam, portanto, sem cabimento algum.

Veja também  Luz para poucos, conta mais cara para todos; artigo de Enio Verri

Pelo sim pelo não, o PSDB e partidos aliados já articulam seu plano B em Colombo. Dois vereadores disputam a indicação do grupo para presidir Câmara e, consequentemente, ocupar o lugar de Beti. A saber: Pelé (PTB) e Professor Waldirlei (PMDB).

O diabo é que a confusão na política de Colombo não para por aí. Há uma discussão judicial sobre a quantidade de cadeiras na Câmara. Foram eleitos 21, mas uma ação popular acatada pela Justiça local determina que apenas 13 sejam empossados. Entretanto, a Justiça Eleitoral do município bateu o pé e garantiu a diplomação dos 21. Essa briga deverá continuar nos tribunais, o que poderá abrir nova crise.

Do outro lado da trincheira, a vereadora Professora Michele (PT) foi ungida para disputar a Câmara. Ela conseguiu unir gregos e baianos em torno de seu nome. Se se concretizar seu intento, elegendo-se presidenta do legislativo municipal, a petista assumirá interinamente a prefeitura.

Comments are closed.