Caso Rose é grande teste na relação Lula-Dilma

do Brasil 247

A Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, que aconteceu sem que o Palácio do Planalto soubesse, criou uma série de constrangimentos para o ex-presidente Lula. Não apenas políticos, mas também de natureza pessoal. Nas fases anteriores da “faxina”, Dilma demitiu, quase sempre, ministros indicados por aliados políticos. Agora, o nome da crise é Lula, de quem ela se vê forçada a se desvencilhar.
Nos primeiros dois anos do governo Dilma Rousseff, a relação entre ela e o ex-presidente Lula experimentou vários momentos de tensão. Um deles, a demissão de Antonio Palocci. Lula foi contra, mas sua posição não prevaleceu.

O ex-presidente também tentou segurar outros aliados, como Alfredo Nascimento e Orlando Silva, mas sempre foi voto vencido diante dos argumentos apresentados por ela.

Passadas as turbulências, tudo voltava ao normal, sem nenhum ruído ou sinal exterior de tensão. E a relação crescia quando Dilma encarava a oposição, como quando escreveu uma nota contra um artigo de Fernando Henrique Cardoso em que Lula era atacado, ou nas vitórias eleitorais recentes.

Agora, no “caso Rose”, é diferente. Antes, Dilma demitia ministros indicados por aliados políticos !“ salvo a exceção de Palocci. Agora, o nome da crise é Lula, de quem ela se vê forçada a se desvencilhar.

Lula, quando chegou de viagem da àndia, onde recebeu o prêmio Indira Ghandi, se disse “apunhalado pelas costas”.

Interpretou-se que a fala era dirigida à  sua ex-chefe de gabinete em São Paulo, Rosemary Nóvoa de Noronha, que teria feito tráfico de influência sem o seu conhecimento.

No caso da Operação Porto Seguro, diversos constrangimentos teriam sido evitados, se o ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, tivesse maior controle sobre as operações mais sensíveis da Polícia Federal.

Não para que Rose fosse poupada ou protegida. Mas para que a demissão ocorresse sem estardalhaço.

Hoje, Lula enfrenta diversos constrangimentos. à‰ acusado de favorecer nomeações, como a da filha de Rose na Agência Nacional de Aviação Civil, após conversas ao pé do ouvido. E pode ter caído no grampo da Polícia Federal.

Veja também  Veja as broncas que esperam Bolsonaro na CPI da Covid

Do ponto de vista pessoal, os problemas são ainda maiores. Rose já é chamada de “mulher de Lula” por blogueiros, como Reinaldo Azevedo. Outros tucanos, como Xico Graziano, espalham pelo Twitter que ela e o ex-presidente teriam um caso extraconjugal. E jornais publicam informações de que Rose era uma espécie de “madame” ou segunda-dama, usando cartões corporativos sem nenhum tipo de controle.

O nome da crise atual é Lula. Uma crise que, segundo aliados de Lula, deveria ter sido evitada.

Comments are closed.